Início / Agricultura / Mulheres lideraram tendência veggie em Portugal

Mulheres lideraram tendência veggie em Portugal

O número de portugueses adultos que se identifica como veggie (vegan, vegetariana ou flexitariana) está em queda, mas ainda representa mais de 10% da população. Mas quem é o consumidor veggie? As mulheres continuam a liderar a tendência em Portugal e representam 69% dos veggies e 67% dos vegetarianos e vegans. É entre os homens que se regista uma diminuição na adopção destas dietas. Em 2023, a percentagem de homens veggie desceu para 7,1% (9,8% em 2021).

Estes são alguns dos resultados do estudo “The Green Revolution”, divulgado hoje pela consultora especializada no sector alimentar Lantern, que adianta que os veggies, embora estejam representados em todas as faixas etárias, as maiores penetrações registam-se entre os 25 e os 34 anos. Outro grupo a salientar é o da população com mais de 65 anos: 13% segue uma dieta à base de vegetais e é, na maioria, flexitariano.

Ainda segundo o estudo, estes fenómenos alimentares já deixaram de estar restritos às zonas urbanas. De acordo com o “The Green Revolution”, 8,8% dos veggies vivem nas grandes cidades, 12,3% nas cidades com 50 mil a 100 mil habitantes e 11,6% em locais com menos de 50 mil habitantes. É ainda comum que o mesmo agregado familiar partilhe hábitos alimentares: 26% dos flexitarianos vivem com outros flexitarianos.

As motivações para apostar numa alimentação plant based variam consoante os grupos analisados pelo estudo. Para os flexitarianos, a saúde é a razão principal para reduzir o consumo de carne: acreditam que comer de tudo é bom e que esta dieta os ajuda a controlar o peso. Já para os vegetarianos e vegans, o ambiente e os animais são o principal motivo.

Uma mudança notável entre os flexitarianos é o aumento da preocupação com o meio ambiente como motivação para esta dieta alimentar. A sustentabilidade ultrapassou a preocupação com o bem-estar animal, crescendo 12 pontos percentuais de 2021 para 2023, de 29% para 41%.

Consumo de carne em alta

Mas a dieta que conquistou novos adeptos em 2023 foi a omnívora: passou de 88,1% para 89,6% de consumidores. Ainda assim, o estudo indica que 49% dos portugueses que se declaram omnívoros afirmam que estão a tentar reduzir o consumo de carne. Destes, 34% tentam reduzir o consumo de carne vermelha e 15% reduzem o consumo de todos os tipos de carne.

No outro extremo, existe um grupo denominado de “super-carnívoros” que declara consumir carne diariamente. Este subgrupo é mais representativo entre a população do sexo masculino (19%) do que na população do sexo feminino (11%). E entre os jovens com menos de 15 anos (32%).

Portugal, o menos veggie da Europa

Com os resultados obtidos em 2023, Portugal surpreendeu e tem uma das percentagens mais baixas da Europa no que toca à representatividade dos veggies. Na Alemanha, Áustria e Países Baixos, um terço da sociedade é veggie, com 34%, 32% e 30%, respectivamente. No Reino Unido, a cultura veggie está amplamente estabelecida e é impulsionada por uma população vegan e vegetariana, que atinge os 6%, uma das mais elevadas da Europa, tal como na Alemanha.

O mercado dos produtos à base de plantas continuou a crescer em termos gerais na Europa, embora de forma mais moderada: passou de um crescimento de 15% nas vendas em 2021, para 6% em 2022 e 4% em volume, de acordo com os dados da Nielsen IQ (NIQ) publicados pelo Good Food Institute (GFI).

Por cá, a perda de dinamismo reflectiu-se nas vendas reais das categorias plant based. No último ano, as alternativas vegetais aos lacticínios mantiveram o seu crescimento (42,3 milhões de euros, face a 40,6 milhões em 2022). Por outro lado, as alternativas vegetais à carne registaram uma queda nas vendas de 8,8% em valor (5,4 milhões de euros) e 9,8% em volume (480 toneladas), de acordo com os dados da Nielsen IQ de finais de 2023.

O relatório “The Green Revolution” foi feito com base em mais de mil entrevistas, representativas da população adulta nacional, por sexo, idade e zona geográfica (margem de erro de 3,2%). O trabalho de campo foi efectuado em Novembro de 2023.

Pode ler o estudo completo aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Chega recomenda ao Governo reversão da extinção das Direcções Regionais de Agricultura

Partilhar              O Grupo Parlamentar do Chega (CH) recomenda ao governo que “reverta a decisão de extinção …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.