Início / Agenda / Marinha: Exercício REP16 – Atlantic, com veículos não tripulados, continua até 31 de Julho

Marinha: Exercício REP16 – Atlantic, com veículos não tripulados, continua até 31 de Julho

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A sétima edição anual do exercício REP16 – Atlantic, decorre desde o dia 5 de Julho e prolonga-se até ao final do mês na costa de Sesimbra e Setúbal. No dia 18 de Julho (2ª feira), a partir das 15h00, vai desenvolver-se no Cais da Rocha de Conde Óbidos em Alcântara, o Distinguished Visitors day.

O REP16 envolve a Marinha Portuguesa, a Universidade do Porto, o Centro NATO Maritime Research para Experimentação (CMRE), a Marinha Belga, o SPAWAR (EUA), e a empresa portuguesa Oceanscan, assim como observadores do Naval Undersea Warfare Center (EUA), NASA, e JPI Oceans.

Diversos ASVS (veículos autónomos de superfície), AUVs (veículos subaquáticos autónomos) e UAV’s (veículos aéreos autónomos) com diferentes sensores, características e modens acústicos irão ser utilizados a partir de navios da Marinha portuguesa, nomeadamente o NRP Escorpião, NRP Pégaso, NRP Auriga, NRP D. Carlos I, o submarino NRP Arpão, bem como do NRV Alliance, navio de investigação da NATO agora operado pela Marinha Italiana.

Comunicações subaquáticas

A edição de 2016 inclui vários objectivos que, certamente, contribuem para reforçar a cooperação entre todos os participantes particularmente no que diz respeito às comunicações subaquáticas, interrupção/delay tolerant networking (DTN) e o conceito de operação para veículos autónomos não-tripulados quer sejam submarinos, de superfície ou aéreos.

O exercício é destinado a testar, avaliar e validar os veículos autónomos não-tripulados em rede em ambientes operacionais definidos de acordo com as especificações da Marinha Portuguesa.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

COTHN: diminuir competências da DGAV é “má estratégia com consequências muito graves para a competitividade do sector agrícola”

Partilhar            A direcção do COTHN — Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional diz que “diminuir, ou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.