Início / Agricultura / Idalino Leão alerta: “há menos de 4% de agricultores com menos de 40 anos”. São precisos apoios à passagem geracional

Idalino Leão alerta: “há menos de 4% de agricultores com menos de 40 anos”. São precisos apoios à passagem geracional

O presidente da Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas, Idalino Leão, mostra-se preocupado com a “questão geracional na agricultura” que “está a chegar a níveis dramáticos”. “Actualmente, somos menos de 4% de agricultores com menos de 40 anos, portanto, a pergunta que faço é, daqui a 10 anos quantos seremos?”. Por isso, avança com algumas medidas necessárias para a passagem das explorações de pais para filhos.

“Quantos é que estaremos cá a produzir alimentos daqui por 10 anos? Porque, o que nós fazemos é produzir alimentos seguros e saudáveis para todos. Acho que esta devia ser uma questão fulcral que merece a criação de medidas disruptivas”, diz Idalino Leão em entrevista à Revista Agricultura e Mar, realçando que este é um problema que preocupa todos os Estados-membros da União Europeia.

Assim, o presidente da Confagri considera ser “importante que fosse criada uma medida que, pelo menos, comtemplasse a passagem das explorações de pais para filhos, uma medida que fomentasse a reforma antecipada dos pais, sem cortes nem prejuízos na sua justa reforma, para a qual contribuíram ao longo da sua carreira profissional”.

“Esta passagem para os filhos devia ser acompanhada de duas medidas: uma linha de crédito a longo prazo com custos fixos para o filho e uma espécie de tutoria, um acompanhamento para os jovens não ficarem sozinhos, ou seja, um acompanhamento de gestão e técnico, durante o os primeiros cinco anos desta passagem. E aqui, o papel das das organizações, de todas cooperativas ou associações, poderia e deveria ser fundamental neste acompanhamento”, frisa Idalino Leão.

E realça que “neste momento há uma percentagem muito elevada de agricultores que se encontra na casa dos 50 aos 65 anos e não sabem muito bem o que vão fazer às suas explorações. Uma medida destas poderia fomentar a passagem da exploração para a geração seguinte e com isso garantirmos que continuávamos a ter agricultura em Portugal. Garantíamos uma mudança geracional, Mas, isto tem que ser acompanhado por uma linha de crédito a longo prazo e com juros fixos e bonificados”.

Para o presidente da Confagri, “a banca nacional tem de perceber que a actividade agrícola é um investimento de médio a longo prazo. Não pode olhar para a actividade agrícola como um outro ramo da economia nacional e dar empréstimos a 10 ou 12 anos no máximo. Os agricultores precisam de outro tipo de capacidade para os seus investimentos”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Carmona Rodrigues lidera Grupo de Trabalho para estratégia de gestão, armazenamento e distribuição eficiente da água

Partilhar              O Governo decidiu criar um Grupo de Trabalho para delinear a estratégia multissectorial, “Água que Une”, …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.