Início / Featured / “Enguia fantasma” avistada pela primeira vez no Atlântico está em Portugal

“Enguia fantasma” avistada pela primeira vez no Atlântico está em Portugal

Vulgarmente conhecida como moreia de Brummer, enguia de fita branca ou enguia fantasma, a enguia do indo-pacífico é uma espécie bastante comum em locais como o Pacífico Ocidental, o Oceano Índico e o Oceano Índico Ocidental, ou seja, todos muito distantes do local onde agora foi encontrada. Quando foi avistada, encontrava-se a uma profundidade de 1 a 2 metros, junto ao porto de pesca de Porto Covo, informa o MARE — Centro de Ciências do Mar e do Ambiente.

Durante um mergulho nocturno, o investigador do MARE-Coimbra Joaquim Parrinha filmou a enguia, enviando, de seguida, o registo à sua coordenadora, Sónia Seixas, que não teve dúvidas na sua identificação. “Esta espécie tem a particularidade de se enrolar de um modo muito específico parecendo uma ‘tira de papel’. O exemplar observado estava bem activo e aparentava uma boa condição física”.

Para validar esta descoberta, escreveram um artigo científico que submeteram à revista científica Marine Pollution Bulletin. A descoberta já foi confirmada por pares independentes seleccionados por este órgão de referência, que já a publicou on-line. Ficará registada em papel na edição de Novembro, refere uma nota de imprensa do MARE.
O avistamento desta espécie, pela primeira vez e tão longe do seu local de origem, intrigou os cientistas que agora se questionam sobre a forma como ali chegou.

“Não há registo da sua existência no Atlântico, sendo esta a primeira observação. Pode ter vindo na água de balastro (água do mar que o navio usa para estabilizar e permitir uma boa navegação, que é inserida numa zona e largada noutra, consoante a carga que transporta), ou por intermédio da aquariofilia, uma vez que se vende na Europa como espécie ornamental para aquários de água salgada”, começa por explicar Sónia Seixas. “Devido à localização onde foi encontrada, Porto Covo, acreditamos mais na primeira opção, até pela proximidade do Porto de Sines”, continua.

Tratando-se de uma espécie exótica, caso não seja um indivíduo único, os investigadores do MARE ponderam a necessidade de lançar uma campanha de monitorização. Estão, também, a estudar medidas para prevenir o aparecimento de outros exemplares – caso tenha potencial para se tornar uma espécie invasora, e dado o seu perfil predador, terá, certamente impacto no ecossistema da região. “Sendo proveniente do indo-pacífico, esta espécie traz-nos grandes apreensões pois sabemos o que algumas espécies que foram introduzidas são nefastas para o ambiente. No entanto, e sendo a espécie activa de noite, não nos parece que seja um problema para os banhistas nas praias”, conclui a investigadora do MARE.

Pode ver esta espécie em vídeo aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Montenegro promete resolver problema do assoreamento do Porto de Pesca da Póvoa de Varzim

Partilhar              O primeiro-ministro, Luís Montenegro, esteve presente cerimónia de encerramento das comemorações do 50º aniversário de …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.