Início / Agricultura / Dieta Mediterrânica reduz risco de declínio cognitivo em idosos

Dieta Mediterrânica reduz risco de declínio cognitivo em idosos

Os idosos que seguem uma Dieta Mediterrânica apresentam menor risco de declínio cognitivo, de acordo com um estudo publicado na revista Molecular Nutrition and Food Research. O trabalho fornece novas evidências para uma melhor compreensão dos mecanismos biológicos relacionados ao impacto da dieta na saúde cognitiva da população idosa.

A demência é um problema de saúde pública em rápido crescimento que afecta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o Mundo. Todos os anos ocorrem quase 10 milhões de novos casos e prevê-se que este número triplique até 2050 devido ao envelhecimento da população global e ao seu impacto previsto e os custos para a sociedade são enormes. A demência é caracterizada pelo declínio cognitivo progressivo, uma das principais causas de incapacidade e dependência entre os idosos.

O estudo é dirigido por Mireia Urpí-Sardá, professora associada do Grupo de Investigação em Biomarcadores e Metabolómica Nutricional e Alimentar da Faculdade de Farmácia e Ciências Alimentares, do Instituto de Investigação em Nutrição e Segurança Alimentar (INSA-UB), do Torribera Food Campus. da Universidade de Barcelona e do CIBER de Fragilidade e Envelhecimento Saudável (CIBERFES).

Este estudo europeu, enquadrado na Iniciativa de Programação Conjunta “Uma dieta saudável para uma vida saudável” (JPI HDHL), está a ser desenvolvido há 12 anos e contou com a participação de 840 pessoas com mais de 65 anos (65% mulheres) das regiões francesas de Bordéus e Dijon.

Segundo Cristina Andrés-Lacueva, professora da Universidade de Barcelona e líder do grupo CIBERFES, “no âmbito do estudo, foi desenhado um índice metabolómico alimentar — baseado em biomarcadores obtidos do soro dos participantes — sobre os grupos de alimentos que fazem parte do a dieta mediterrânica. Conhecido esse índice, avalia-se sua associação com comprometimento cognitivo”.

O metaboloma ou conjunto de metabólitos — relacionados aos alimentos e derivados da atividade da microbiota intestinal — foi estudado por meio de uma análise metabolómica quantitativa em larga escala do soro dos participantes sem demência, desde o início do estudo. O comprometimento cognitivo foi avaliado por cinco testes neuropsicológicos ao longo de doze anos.

O estudo revela uma associação protectora entre a pontuação da dieta mediterrânica baseada em biomarcadores séricos e o declínio cognitivo em pessoas idosas.

O estudo (que pode ler aqui) foi realizado em colaboração com equipas do Departamento de Genética, Microbiologia e Estatística da Faculdade de Biologia e do Departamento de Farmacologia, Toxicologia e Química Terapêutica da Faculdade de Farmácia e Ciências dos Alimentos da Universidade de Barcelona.

Também participaram equipas da Universidade de Bordeaux e do centro INRAE ​​da Universidade de Clermont-Ferrand, na França, do King’s College London, no Reino Unido, da Universidade de Amsterdão, nos Países Baixos e da Universidade Médica Parcelsus de Salzburgo, na Áustria.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Eurodeputados portugueses e espanhóis juntos na defesa do regadio em Bruxelas

Partilhar              Eurodeputados portugueses e espanhóis, reunidos no 3º Congresso Ibérico do Milho, concordaram que “o regadio …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.