Início / Mar / Ambiente / DGRM apresenta na IMO conclusões da 81ª sessão do Comité de Protecção do Ambiente Marinho

DGRM apresenta na IMO conclusões da 81ª sessão do Comité de Protecção do Ambiente Marinho

A DGRM – Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, em conjunto com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, representaram Portugal na 81ª Sessão do Comité de Protecção do Ambiente Marinho (MEPC 81), o fórum de discussão dos assuntos que vão moldar o futuro do Transporte Marítimo nos próximos anos, na componente de protecção do meio marinho.

O desenho das medidas de médio prazo para a redução das emissões de gases de efeito de estufa (GEE), com vista às emissões zero em 2050 e também o novo mecanismo global de fixação de preços para as emissões marítimas, foram algumas das conclusões do MEPC 81, que decorreu entre 18 e 22 de Março, em Londres, na sede da Organização Marítima Internacional (International Maritime Organization – IMO), avança uma nota de imprensa da DGRM.

O director-geral da DGRM, José Carlos Simão, salienta que “durante uma semana de intensas negociações e com o apoio directo de mais de 60 Estados, foi possível aprofundar e dar os passos necessários para a formatação das medidas de médio prazo no caminho para emissões líquidas nulas no sector do transporte marítimo até 2050, onde se inclui um mecanismo de contribuição global por tonelada de Gases de Efeito de Estufa. A aprovação das medidas de médio prazo e do mecanismo financeiro global de emissões acontecerá em 2025 e entrarão em força dois anos depois, em 2027”.

Lixo marinho

A agenda da 81ª Sessão do MEPC incluiu ainda a discussão de matérias essenciais sobre o lixo marinho, nomeadamente as novas medidas relativas à perda de contentores no mar e as novas recomendações ao transporte de pellets de plástico, tendo em conta o recente acidente na costa ibérica que poluiu várias praias.

Entre as principais conclusões, a DGRM destaca ainda a aprovação de duas novas zonas de controlo das emissões (ECA), a primeira para as águas do Árctico Canadiano e a segunda para o Mar da Noruega, e o plano de trabalhos actualizado para o desenvolvimento de orientações para novos combustíveis alternativos, incluindo para o hidrogénio e a amónia como combustíveis navais, combustíveis de baixo ponto de inflamação e instrumentos obrigatórios para os álcoois metílicos/etílicos.

Foram igualmente aprovadas as novas exigências na gestão das águas de lastro, Reciclagem de Navios, Ruído Submarino e várias emendas à Convenção MARPOL.

Não houve acordo na revisão do Indicador de Intensidade de Carbono (CII), devendo ser aprofundadas as discussões com vista a melhorar este indicador que visa e objectiva comportamentos correctos em linha com os objectivos da Estratégia GEE da IMO, acrescenta a mesma nota.

Conclusões do PEPC 81 aqui.

Mais informações sobre o PEPC 81 aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Confagri lança série de 5 vídeos sobre “As Cooperativas e a Inovação na Agricultura”

Partilhar              A Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal quer …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.