Início / Agricultura / Ambientalistas europeus garantem: acordo para a reforma da PAC será conseguido nas próximas horas. Mas é “um fracasso político que não apoia a agricultura ecológica”

Ambientalistas europeus garantem: acordo para a reforma da PAC será conseguido nas próximas horas. Mas é “um fracasso político que não apoia a agricultura ecológica”

O Gabinete Ambiental Europeu (The European Environmental Bureau), a maior rede de organizações ambientais  de cidadãos da Europa, do qual é membro a portuguesa Zero — Associação Sistema Terrestre Sustentável, garante que o acordo para a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) será assinado “nas próximas horas”, mas que “a Europa continuará a financiar importantes práticas agrícolas intensivas nocivas ao ambiente até pelo menos 2027”.

“As partes mais controversas da nova política agrícola da União Europeia, no valor de 54 mil milhões de euros, para o período de 2023-2027, acabam de ser finalizadas e as negociações sobre os poucas restantes aspectos terminarão nas próximas horas, apurou o EEB junto de fontes que participaram nas conversações”, refere um comunicado enviado ao agriculturaemar.com.

Acrescentam o EEB, a maior rede de organizações ambientais  de cidadãos da Europa, representando cerca de 30 milhões de membros e apoiantes individuais, que “numa década considerada crucial para reverter uma série de crises ambientais, o fracasso em mudar o apoio à agricultura ecológica é um grande fracasso político”. E realçam que “a agricultura é uma das principais causas de perda de solo e do colapso da vida selvagem e contribui significativamente para as emissões de gases de efeito estufa”.

Para a EEB, a Política Agrícola Comum existente “foi apresentada como verde, mas impulsionou o rápido crescimento das explorações agrícolas mais poluentes e eliminou milhões de pequenas explorações, como admitiu recentemente o comissário de agricultura da UE. Esta política também pagou grandes quantias a oligarcas e populistas”.

Ataque à agricultura intensiva

A PAC 2023-2027, cujo acordo está a ser finalizado, será novamente apresentado como uma vitória para o meio ambiente. Mas regras mais fracas do que nunca para pagamentos agrícolas e nenhuma meta ambiental significativa significam que cerca de três quartos do orçamento agrícola de 270 mil milhões de euros irão para explorações agrícolas intensivas”.

Dizem aqueles ambientalistas que a agricultura intensiva “é o maior impulsionador da extinção de espécies e é responsável por 15% das emissões climáticas na Europa. Há uma contaminação generalizada de terras agrícolas por pesticidas e o solo fértil está a ser perdido mais rapidamente do que se pode regenerar em mais de 10% da área terrestre da Europa, reduzindo a produção em cerca de 1,25 mil milhões de euros por ano”.

Para a responsável de política agrícola da EEB, Célia Nyssens, “a UE gasta mais com os agricultores do que com qualquer outra coisa, tornando a política agrícola uma ferramenta poderosa para o bem ou para o mal. Poderíamos estar a ajudar os agricultores a restaurar solos degradados, a se adaptarem às mudanças climáticas e resgatar abelhas em colapso e outras populações de animais selvagens. Mas essa nova política é um fracasso monumental da liderança europeia para enfrentar estas graves ameaças. Já estamos a ver os governos nacionais a planearem negócios, como de costume, para manter o dinheiro a caminhar para explorações agrícolas intensivas”.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

AgriNavais celebra Dia do Horticultor na Póvoa de Varzim

Partilhar              A AgriNavais, empresa agropecuária com sede na freguesia de Navais, Póvoa de Varzim organizou um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.