Início / Agricultura / Campanha #EUChooseSafeFood alerta população sobre os perigos da acrilamida

Campanha #EUChooseSafeFood alerta população sobre os perigos da acrilamida

Sem sabermos, podemos estar a contribuir para uma maior contaminação das nossas refeições através de uma substância naturalmente formada durante o processo térmico de confecção dos alimentos: a acrilamida. A campanha #EUChooseSafeFood alerta a população sobre os perigos associados e a importância de evitar a exposição a esta substância prejudicial.

Se ainda não ouviu falar de acrilamida, está na altura de ficar a saber tudo sobre a substância química formada quando confecciona mal alimentos ou quando deixa queimar as torradas. Segundo os peritos da EFSA — Agencia Europeia de Segurança Alimentar, a exposição à acrilamida oferece possíveis efeitos nocivos no sistema nervoso, no desenvolvimento pré e pós-natal e na reprodução masculina. Contudo, estes efeitos não são considerados preocupantes, com base nos actuais níveis de exposição alimentar, refere uma nota de imprensa conjunta da EFSA  e da ASAE— Autoridade de Segurança Alimentar e Económica.

A acrilamida é uma substância química que se forma naturalmente em produtos alimentares amiláceos quando são cozinhados a altas temperaturas (acima de 120°C) e em condições de baixa humidade, nomeadamente, alimentos feitos de cereais, tais como cereais de pequeno-almoço, bolachas, torradas e café. Também produtos de batata e/ou batata-doce como batatas fritas, são exemplos de alimentos com níveis mais elevados de acrilamida, explica a mesma nota.

E adianta que, para evitar os seus efeitos nefastos, é importante reduzir a sua quantidade nos alimentos através de uma confecção mais cuidadosa. E é por isso que a campanha #EUChooseSafeFood, realizada pela EFSA em parceria com a ASAE, traz as três principais acções a ter para evitar esta substância:

  • Cozinhe os alimentos a temperaturas mais baixas. Evite fritar, grelhar ou assar alimentos a altas temperaturas e evite deixar a superfície dos alimentos demasiado tostada ou queimada. Se o alimento que está a cozinhar é rico em amido tenha especial atenção e cozinhe-o por um período mais longo com uma temperatura reduzida;
  • Opte por métodos de cozedura mais saudáveis. Ao preparar alimentos dê preferência a métodos de cozedura mais saudáveis, como cozinhar a vapor, ferver, cozinhar no forno ou grelhar em vez de fritar. Estes métodos reduzem a formação de acrilamida;
  • Varie a sua dieta. Ter uma dieta variada e equilibrada é sempre recomendado. Além de ajudar a reduzir a exposição à acrilamida, garante uma ingestão variada de nutrientes essenciais.

Filipa Melo de Vasconcelos, Subinspectora-Geral da ASAE reforça que “a acrilamida é formada a partir de açúcares e aminoácidos, principalmente um chamado asparagina, que estão naturalmente presentes em muitos alimentos. E, embora seja praticamente impossível eliminar a acrilamida dos alimentos amiláceos cozinhados, é possível reduzir a sua quantidade seguindo os conselhos que a campanha transmite”.

Os 16 países que participam na campanha #EUChooseSafeFood 2023 são: Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, Chéquia, Grécia, Irlanda, Itália, Letónia, Polónia, Portugal, Roménia, Eslováquia, Eslovénia e Macedónia do Norte.

Mais informações sobre  campanha aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Armadilhas do Município de Montalegre já capturaram 14.801 vespas asiáticas em 2024

Partilhar              A Câmara Municipal de Montalegre tem em curso, desde inícios de Março, a nova campanha …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.