Início / Agricultura / Avelã – Uma Oportunidade de Investimento. A Conta de Cultura Produções, Custos e Rentabilidades

Avelã – Uma Oportunidade de Investimento. A Conta de Cultura Produções, Custos e Rentabilidades

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
    2
    Shares

Artigo de opinião de Alexandre de Castilho, director-geral da Hidro Ibérica – Estudo e Montagem de Regas

O interesse crescente pelos frutos secos é uma realidade incontornável nos dias de hoje, em todo o Mundo e principalmente em países mediterrâneos como Portugal. Em conjunto com a já instalada cultura da amêndoa, um pouco por todo o pais, assiste-se agora à introdução de um novo conceito, a aveleira, cultura tradicionalmente plantada até aqui em modelos tradicionais.

Com esta nova proposta de modelo agronómico, a Agromillora baseou-se na experiência em outros cultivos que já intensificou, como o caso do olival e amendoal, de que foi pioneira há 25 anos atrás, para apresentar uma solução viável, mostrando também uma forma de diversificar os investimentos agrícolas mantendo modelos agronómicos de alto valor acrescentado.

Pretende-se uma entrada em produção mais rápida, uma fácil mecanização e uma redução de custos de produção, mantendo uma elevada produtividade. Esta transição para árvores mais pequenas iniciou-se à mais de uma década, nos Estados Unidos (Oregon) e no Chile, onde gradualmente se transitou para plantações, com compassos mais estreitos (5×3 a 4×2). Foram estas experiências que levaram até a primeira plantação de aveleira, em sebe, na Europa, na mítica finca La Porxina (Espanha – 2013) de onde nasceu, anos antes, outra revolução agronómica, o amendoal em sebe.

É este o modelo desenvolvido pela Agromillora e que já veio a despertar o interesse das principais indústrias de chocolate, nomeadamente junto da Ferrero Rocher.

Foi recentemente instalado no campo de ensaio de Aveleiras na Agromillora em Valada do Ribatejo. Com o apoio técnico da Hidro Ibérica, este familiar campo de ensaio está a tornar-se uma referência nacional e internacional, atendendo à credibilidade e rigor técnico que apresentam os ensaios que lhe são propostos.

A eficiência produtiva da cultura de regadio da avelã, os custos associados à mesma e o seu preço de venda determinam a rentabilidade da exploração.

O  custo  de  instalação (Investimento Inicial) em explorações modernas e bem desenhadas, com um compasso que pode variar entre o 5 X 3 e o 4 X 2, situa-se ente 6.000eur/ha e 8.000 eur/ha.

Como se pode constatar nos mapas, com um compasso de 4×2, o Investimento Inicial ronda os  8.000 eur/ha, incluindo a rega. Se considerarmos um  preço médio  de venda (baseado nos Projectos da Ferrero Rocher) de 2,5€/Kg de avelã e com produções médias de 2.000-2.500 kg/ha, com custos anuais da ordem dos 1.400 eur/ha, obtemos um (após pago o investimento inicial)  um resultado liquido anual da ordem dos 3.500 eur/ha  a 4. 500 eur /ha.

O sucesso do projecto vai depender de vários factores, nomeadamente, da qualidade do material vegetal clonal, que permita uma precoce e homogénea entrada em produção e de um contrato com um comprador estável ao longo da vida útil do projecto.

O modelo

O modelo instalado nos campos de Valada do Ribatejo considerou um compasso de 4×2 (1.250 plantas/ha), com plantas auto-enraizadas, sem porta-enxerto, tendo como variedade principal Tonda di Giffoni 80% e como polinizadores Tonda Gentile Romana e Barcelona. São variedades que produzem avelã com características organoléticas excelentes, com sabor intenso e muito procurado pela indústria do chocolate, nomeadamente pela Ferrero Rocher.

A preparação de solo

Como acontece na instalação de outras culturas lenhosas, torna-se fundamental uma boa preparação do solo, eliminando vestígios de cultivos anteriores como raízes, pedras, etc. Em solos compactos e pouco arejados recomenda-se a passagem de um subsolador, seguido de uma gradagem. Em solos como estes recomendamos a realização de camalhões para evitar problemas de drenagem e evitando assim problemas de asfixia radicular, entre outros.

A disposição de variedades em campo

A distribuição da variedade principal assim como dos polinizadores deve ser realizada da seguinte forma:
1 fila (Pólen A) + 3 filas Variedade Principal + 1 fila (Pólen B).
Com esta distribuição procurámos melhorar a eficiência da polinização e recorrendo a dois polinizadores, ampliou-se a janela de oportunidade em relação a polinização e a melhorar o rendimento da exploração.

 A plantação

A Plantação deve ser feita à mão ou à máquina, a uma profundidade de 10 -12cm, o sistema radicular deverá ser enterrado a cerca de 3 – 4 cm. Enterrar a planta a maiores profundidades pode gerar problemas sanitários tais como problemas de anilhamento, podridão do tronco ou phythora.

A rega

A aveleira é uma cultura pouco resistente ao stress hídrico e apresenta uma baixa capacidade de regulação estomática pelo que deverá ter-se especial atenção a estes factores. O sistema de rega mais usado é a gota-a-gota e o débito anual de água devem rondar os 2500-3.500 m3/ ha, repartidos entre Abril e Setembro

Os Pomares instalados pela Hidro Ibérica enquadram-se num “Serviço Chave na Mão” que consiste em dimensionar e executar o projecto, mobilizações de solo e fornecimento e plantação do Amendoal de Sequeiro em Sebe.

Por outras palavras, o Serviço “Chave na Mão” executado pela Hidro Ibérica é um serviço completo que cumpre as seguintes fases:

  • Estudo pormenorizado das condições agronómicas e climatéricas do local de instalação (orientação, desnível, insolação, disponibilidade hídrica, etc.);
  • Elaboração de Projecto (desenho da plantação);
  • Escolha das variedades que melhor se adaptam ao local, em parceria com a Agromillora;
  • Plantação recorrendo com máquinas específicas para o efeito;
  • Assistência Técnica e Serviços de Acompanhamento Agrícola

Estamos perante uma nova oportunidade de negócio recorrendo a uma cultura permanente, altamente viável economicamente, onde a eficiência na utilização da água, dos tratamentos fitossanitários, dos adubos, das podas e colheitas (mecanizadas) e da mão de obra são notórios. Também por este motivo, o novo sistema de cultivo de Aveleiras em Sebe poderá ser adaptável para a produção biológica.

Agricultura e Mar Actual

  •  
    2
    Shares
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 2
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Yilport Iberia reforça valências do terminal de Huelva com investimento em três novas gruas

Partilhar         2    2SharesA sociedade portuguesa Yilport Iberia vai aumentar a capacidade do terminal e melhorar as operações …

2 comentários

  1. Ponteira Maria Isabel Pereira

    Bom dia , gostava de ter mais informação sobre o projeto , se preciso ter alguma formação e o que preciso fazer para desenvolver um projeto nessa área . Tenho alguns terrenos na aldeia que gostava de cultivar e rentabilizar. obrigada

  2. jose manuel maia caixeirinho

    boa noite gostava de ter mais informaçoo sobre a cultura da aveleira tenho umas terras no alentejo com agua que era para fazer amendoa mas a aveleira parece-me interessante e qual as variedades que se adaptam aqui no alentejo .obrigado. manuel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.