Início / Empresas / 42% das empresas romenas atrasam pagamento aos fornecedores para manter liquidez

42% das empresas romenas atrasam pagamento aos fornecedores para manter liquidez

O Barómetro de Práticas de Pagamento 2023 elaborado pela Crédito y Caución revela que, para proteger a empresa da falta de liquidez e evitar o risco de ficar sem caixa devido a atrasos nos pagamentos, 42% das empresas romenas estão a atrasar o pagamento das suas próprias facturas a fornecedores, transmitindo os problemas de incumprimento por toda a cadeia de abastecimento.

35% aumentaram o tempo e os recursos que dedicam à cobrança de facturas não pagas, 32% reforçaram os seus processos internos de controlo de crédito, 32% procuraram financiamento externo e 23% atrasaram os seus investimentos.

Nos últimos meses, 41% das empresas romenas registaram um aumento nos prazos de pagamento dos seus clientes, muito acima dos escassos 13% que registaram uma diminuição. 46% do crédito comercial que os fornecedores concedem aos seus clientes na Roménia quando cobram pelos seus produtos e serviços é cobrado com atraso. 49% das facturas nas transacções entre empresas deste mercado são pagas dentro do prazo acordado e 5% não são pagas.

“As empresas na Roménia mostram uma atitude cautelosa na utilização do crédito comercial em transacções B2B. De acordo com o nosso barómetro, uma média de 45% de todas as vendas B2B foram feitas a crédito, enquanto 55% das vendas foram feitas em numerário. O sector dos metais é particularmente cauteloso quanto à extensão do crédito comercial, reflectindo, provavelmente, as actuais perspectivas económicas e empresariais incertas. As empresas romenas estabelecem, em média, prazos de pagamento de 36 dias a partir da facturação”, explica o relatório.

A evolução dos preços teve um impacto mais suave no tecido produtivo romeno do que noutros mercados. Um relevante 11% das empresas afirma não ter sofrido alterações na sua estrutura de custos devido à inflação, a percentagem mais elevada do estudo em qualquer mercado europeu. O principal impacto foi nos custos de produção (para 28% das empresas), seguindo-se a queda da procura dos seus produtos e serviços (para 19% das empresas), os custos financeiros (15%), os custos laborais (14%) e os custos de armazenamento e manutenção de inventário (13%),

Até final de 2023, 51% das empresas romenas prevêem crescimento nos seus negócios e 41% esperam poder expandir as suas margens; 35% antecipam uma melhoria nas práticas de pagamento dos seus clientes, apenas ligeiramente acima dos 31% que esperam uma deterioração.

Pode ler o Barómetro de Práticas de Pagamento 2023 aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Caja Rural del Sur quer 800 milhões de euros de volume de negócios em Portugal

Partilhar              A Caja Rural del Sur pretende alcançar um volume de negócios superior a 800 milhões …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.