Início / Agricultura / Município de Alcácer do Sal sem glifosato opta por herbicida biodegradável

Município de Alcácer do Sal sem glifosato opta por herbicida biodegradável

A Câmara Municipal de Alcácer do Sal está a aplicar um novo herbicida biodegradável, de origem natural, seguro para pessoas, animais e ambiente, garante fonte da autarquia.

Este novo herbicida, à base de ácido pelargónico e alternativo à utilização de glifosato, caracteriza-se por ser obtido a partir de plantas e quando aplicado degrada-se muito rapidamente, não havendo riscos de contaminação dos lençóis freáticos ou efeitos negativos para organismos do solo, apesar de se verificar um cheiro intenso após a sua aplicação, acrescenta a mesma fonte.

Protecção dos aplicadores

Ainda que se trate de um produto amigo do ambiente e seguro para pessoas e animais, o Município tem “os devidos cuidados na sua aplicação e fá-la com consciência e respeitando a lei no que a esta actividade diz respeito, nomeadamente através do uso de equipamentos de protecção individual dos operadores”.

A autarquia de Alcácer do Sal acrescente que se trata de “um produto com venda autorizada pela DGAV — Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária e integra a lista de herbicidas autorizados para uso profissional em zonas de urbanas e zonas de lazer, respeitando a lei nº 26/2013, de 11 de Abril”.

Glifosato

Nos últimos 30 anos, o glifosato tornou-se o herbicida mais importante na agricultura mundial. Para os agricultores, os herbicidas à base de glifosato oferecem um controle das plantas daninhas de forma simples, flexível e com boa relação custo-benefício.

O glifosato, ou N-(fosfonometil) glicina, é um dos herbicidas de amplo espectro mais utilizados do Mundo e é responsável por cerca de 25% do mercado global de herbicidas.

Ver também: Glifosato

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

XIII Congresso da Agricultura dos Açores debate campanhas de contra-informação na pecuária

O XIII Congresso da Agricultura dos Açores, evento promovido pela Federação Agrícola dos Açores, decorrer …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.