Início / Agricultura / ISQ promove eficiência energética e bioeconomia a 3.000 produtores de leite

ISQ promove eficiência energética e bioeconomia a 3.000 produtores de leite

O Grupo ISQ integra o consórcio do Projecto MilKEE que visa a capacitação e mobilização das explorações leiteiras para a eficiência no uso de recursos e promoção da bioeconomia.

Esta participação surge no âmbito da área e intervenção de observação da agricultura e dos territórios rurais do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020). O projecto decorrerá ao longo de um ano, atingindo directamente cerca de 3.000 produtores de leite a nível nacional e corresponde a um investimento de cerca de 146.000 euros.

Sustentabilidade

No projecto MilKEE, o ISQ, para além da abordagem directa à sustentabilidade do uso e recursos nas instalações, desenvolverá também uma ferramenta digital de diagnóstico e benchmarking nas temáticas do projecto.

Esta iniciativa tem especial incidência nos seguintes domínios: melhoria da eficiência na utilização da água pelo sector agrícola; melhoria da eficiência na utilização de energia no sector agrícola e na indústria alimentar; e melhoria da eficiência da utilização de subprodutos, promovendo a valorização florestal dos efluentes pecuários (economia circular).

A iniciativa permite ainda a facilitação do fornecimento e utilização de fontes de energia renováveis, de subprodutos, resíduos e desperdícios e de outras matérias-primas não alimentares para promover a bioeconomia.

Competitividade

Nas palavras de Sílvia Vara, coordenadora de investigação e desenvolvimento, “com o projecto MilkEE o consórcio pretende promover a competitividade dos produtores de leite através da diminuição dos custos de produção, mostrando que é possível ter explorações mais competitivas e em simultâneo ambientalmente mais sustentáveis actuando nas vertentes da água, energia e efluentes.”

Os principais resultados a alcançar durante o projecto incluem a criação e desenvolvimento de conhecimento para o sector leiteiro no domínio da utilização eficiente de recursos e a tipificação de boas práticas para a utilização de efluentes de bovinicultura leiteira na floresta e a criação de uma ferramenta de apoio.

Benefícios da bioeconomia

Por outro lado, este projecto visa a criação de benchmarks, que permita um diagnóstico da situação actual da instalação face às temáticas do projecto e comparação da sua performance com outras instalações, a capitalização de informação de outros projectos e transferir boas práticas, para o sector do leite e sector florestal e a criação de dossier de boas práticas de referência para a utilização eficiente de recursos e promoção da bioeconomia das explorações leiteiras e sector florestal.

O MilKEE tem ainda como objectivos a sensibilização dos produtores de leite e das cooperativas demonstrando os benefícios da bioeconomia e da utilização eficiente de recursos.

O consórcio

O consórcio é liderado pela Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal (Confagri) e conta com a parceria do ISQ; Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; AGROS — União de Cooperativas de Entre Douro e Minho e Trás-os-Montes; Lacticoop — União de Cooperativas de Produtores de Leite de Entre Douro e Mondego e Proleite — Cooperativa Agrícola de Produtores de Leite.

Explica fonte do ISQ que os produtores de leite e respectivas cooperativas, sentem “constantemente a pressão para se manterem competitivas e reduzirem os seus custos. No entanto, a discussão actual está concentrada na perspectiva do preço pago por litro de leite, e através deste projecto a parceria pretende focar na questão do custo de produção, que é algo em que o produtor pode actuar, ao contrário do que acontece com o preço”.

Foco no custo de produção

Ultrapassar esta barreira inicial será fundamental, e deverá ser realizada “através da caracterização dos sistemas relacionados com os consumos de energia e de água de forma a mostrar claramente aos produtores o peso que tem o consumo de recursos nos seus custos, para depois sensibilizar e formar relativamente a acções a adoptar para a sua redução”, acrescenta o ISQ.

Por outro lado, a escassez de recursos, o abastecimento instável de matérias-primas e a degradação do ambiente com repercussões nas alterações climáticas e a perda de valor dos produtos têm colocado em evidência os limites do actual modelo económico.

Economia Circular

Neste contexto, o modelo de Economia Circular (EC), abrangendo os princípios da bioeconomia, tem ocupado um espaço crescente nas políticas europeias e portuguesas sendo encarado como um meio alternativo de prosseguir o caminho de prosperidade, reduzindo ao mesmo tempo o consumo e dependência de materiais primários, energia e água.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

CIP organiza Congresso “Portugal: Crescimento ou Estagnação? A resposta está nas empresas!“

A CIP – Confederação Empresarial de Portugal realiza, no próximo dia 22 de Outubro, o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.