Início / Empresas / Empregados da Cachapuz têm salário mínimo de 600 euros

Empregados da Cachapuz têm salário mínimo de 600 euros

A Cachapuz,  líder do mercado nacional no sector da pesagem, estabeleceu o valor de 600 euros como o salário mínimo dos seus colaboradores para 2016, valor acima do estabelecido por lei. Esta medida entrou em vigor em Janeiro, começando um novo ano com um salário que, a par de outras medidas já tomadas pela empresa, visa aumentar o rendimento disponível das famílias dos colaboradores da Cachapuz.

Há muito que a empresa de Braga “implementa acções desta natureza, sendo que o bem-estar dos seus colaboradores é uma das principais componentes” no âmbito das suas acções de responsabilidade social.

“É necessário estimular e desenvolver o capital humano de uma empresa, cujo empenho e dedicação levam aos resultados e sucesso da Cachapuz” afirma a direcção da Cachapuz, citada num comunicado emitido pela empresa.

O sucesso histórico da Cachapuz deve-se, entre várias outras variáveis, “ao excelente trabalho, empenho e compromisso que os colaboradores depositam diariamente nesta empresa de Braga”. Esta empresa disponibiliza um conjunto “alargado de medidas de carácter social, entre elas: medicina preventiva e curativa, cantina que assegura uma dieta alimentar saudável, seguro de saúde, apoio à natalidade através da atribuição de um cheque-bebé de 500 euros e, mais recentemente, a devolução da sobretaxa de IRS paga em 2015 pelos seus 57 colaboradores, ao contrário da decisão do Governo no que toca a esta medida”, adianta a mesma fonte.

Um marco histórico em Braga

O nome Cachapuz terá surgido em 1694. Há documentos que comprovam a sua antiguidade, como uma página do extinto “Almanak de Braga e seu Distrito”, de 1895, que refere a ‘Casa Commercial Cachapuz’, aludindo a essa ancestralidade e dando conta da comercialização de “cutelarias, armas e balanças”, assim como uma ‘arrojada’ aposta na importação de mercadorias.

Em 1920, a empresa iniciou a produção industrial, com balanças decimais em madeira, denominadas R1, na Rua dos Chãos, em pleno centro histórico da cidade dos arcebispos, onde se manteve até aos anos 60. Em 1934 fabrica a primeira báscula para pesagem de camiões.

Desde então, a empresa tem feito história em Portugal com a produção e desenvolvimento de ferramentas e soluções de pesagem, atingindo a liderança de mercado interno em meados do século passado e exportando para diversos mercados. Marcantes para a dinâmica da empresa foram as relações comerciais com Angola, Moçambique, Cuba, Costa do Marfim, países do Magrebe, para além de instalações realizadas nos arquipélagos dos Açores e Madeira. Em Portugal, todas as grandes empresas nacionais eram fornecidas pela Cachapuz, como a antiga Polícia de Trânsito e os Caminhos de Ferro.

Em meados dos anos 80, a Cachapuz equipou todas as estações dos CTT e aeroportos nacionais. A década ficou ainda marcada pela concepção e produção da primeira balança electrónica portuguesa.

O ano de 1993 faz parte dos marcos históricos da empresa como o ano do lançamento da primeira solução para a automatização de processos de pesagem industrial, com o C93, o primeiro equipamento lançado no mercado para pesagem a granel.

Em 2002, a Cachapuz mudou-se para o Parque Industrial de Sobreposta, ainda em Braga, e encetou um reforço no departamento de Engenharia e Inovação, através de uma aposta sustentada e contínua na investigação e desenvolvimento tecnológico.

Em 2011 conclui-se o processo, que tinha sido iniciado em 1997: a aquisição total do capital da Cachapuz, por um dos maiores grupos mundiais dedicados à pesagem, o Bilanciai Group. A decisão de integrar o Grupo Bilanciai surgiu da necessidade de uma evolução tecnológica nos equipamentos de pesagem e da estratégia de integrar um grupo de referência no sector, para potenciar a internacionalização da empresa em outros mercados, para além dos tradicionais destinos de exportação da Cachapuz, como Angola e Moçambique.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Federação Agrícola dos Açores: Reitor da Universidade de Coimbra é “contra a produção nacional”

O Reitor da Universidade de Coimbra vai proibir a carne de vaca na ementa das …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.