Início / Empresas / António Costa: Portugal deve “entrar no clube de produtores de comboios”
Foto: Portal do Governo

António Costa: Portugal deve “entrar no clube de produtores de comboios”

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“O sonho que todos temos de ter e que temos de ser capazes de transformar em realidade é, daqui a uns anos, podermos dizer que fazemos não só parte do clube dos produtores de automóveis, mas também fazemos parte do clube dos produtores de comboios”, disse o primeiro-ministro António Costa na reabertura da oficina da CP em Guifões, Matosinhos.

Para conseguir entrar no clube dos produtores de comboios, o País tem de ser “persistente e não voltar a cometer erros que no passado foram cometidos”, como o desinvestimento na ferrovia, de que foi exemplo o encerramento da oficina de Guifões, em 2012.

“Ferrovia tem de estar mesmo no centro das nossas prioridades”

O primeiro-ministro afirmou ainda que temos de “no futuro, aprender com os erros do passado e não ter dúvidas de que a ferrovia tem de estar mesmo no centro das nossas prioridades em termos de infraestruturas, material circulante e crescimento da economia”.

António Costa recordou que há umas décadas Portugal importava automóveis e que, no ano passado, produziu mais de 300 mil automóveis, sendo a sua grande maioria destinada à exportação, o que permitiu que entrasse pela primeira vez no clube dos países produtores de automóveis.

Igualmente, daqui a 10, 20 ou 30 anos Portugal poderá ser membro dos países produtores de comboios, disse, acrescentando que é “uma ambição difícil” mas necessária, e “uma grande aposta estratégica” para o País.

Prioridade à ferrovia

Há cinco anos, o Governo definiu que a ferrovia devia ser uma prioridade, tendo investido no programa de infraestruturas ferroviárias Ferrovia 2000, mas também na compra de novo material circulante (22 composições para as linhas regionais) e na recuperação de comboios que estavam parados por avaria, para reduzir a falta de cumprimento dos horários da CP.

António Costa deu como exemplo a recuperação de duas carruagens com um custo de 80 mil euros cada, as quais, se fossem novas, custariam 600 a 700 mil euros, acrescentando que, desta forma, o Estado gasta menos dinheiro, produz em Portugal e cria emprego.

Seria “absolutamente imperdoável” que o País investisse milhões de euros na importação de material circulante novo e deixasse ao abandono material que já comprou, amortizou e que tem todas as condições de poder ser recuperado e voltar a circular, afirmou.

A colocação da ferrovia numa posição central na mobilidade de passageiros e mercadorias é também “prova de que o combate às alterações climáticas” é uma oportunidade de crescimento da economia.

Reactivação da oficina de Guifões

A reactivação da oficina de Guifões foi anunciada no Verão passado como parte do plano do Governo para melhorar o serviço ferroviário, começando por recuperar comboios que tinham sido encostados e podiam ser recuperados.

140 empregos

A reabertura da oficina vai criar 140 novos postos de trabalho, 90 dos quais altamente qualificados, até final de 2021, e a oficina já tem a capacidade das instalações até 2024 com um turno de trabalho diário.

O presidente da CP, Nuno Freitas, disse que até final do ao vão ser recuperadas 13 carruagens Schindler, que são ideais para o serviço comercial da Linha do Douro, e 14 carruagens Inox Soreframe, que serão usadas na Linha do Minho, recentemente electrificada até Viana do Castelo e estando em curso a electrificação até Valença.

A entrada em operação destas composições vai permitir libertar material circulante para normalizar o serviço comercial regional da CP no Oeste, no Alentejo e no Algarve, disse.

A oficina vai também fazer a revisão geral de 34 unidades múltiplas eléctricas e fazer protótipos de modernização de uma carruagem Sorefame e de uma UDD 450 e de adaptação/construção de um reboque piloto para manobras.

Centro de competências da ferrovia

A oficina ainda acolherá o centro de competências da ferrovia, um projecto que visa unir os sectores públicos e privados e a academia, para criar capacidade industrial ferroviária, começando com a criação de um centro de formação profissional, uma incubadora de empresas orientadas para a ferrovia e um centro tecnológico com laboratórios colaborativos.

Na cerimónia estiveram ainda presentes os ministros da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e das Infra-estruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (que tutela a CP); e o secretário das Infra-estruturas, Jorge Delgado.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Nuno Russo: “a informação permitirá valorizar o que produzimos”

Partilhar            O secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, participou, ontem, 26 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.