Início / Agricultura / Minifloresta da Ciências ULisboa é caso de sucesso reconhecido pela União Europeia

Minifloresta da Ciências ULisboa é caso de sucesso reconhecido pela União Europeia

A “FCULresta” — uma minifloresta densa, biodiversa e multifuncional do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa) e que tem origem no projecto europeu “1Planet4All – Empowering youth, living EU values, tackling climate change” —, foi seleccionada e destacada como um dos projectos com maior impacto do programa “Development Education and Awareness Raising (DEAR)”, financiado pela União Europeia.

David Avelar, biólogo e permacultor, coordenador deste projecto, refere que a minifloresta da Ciências ULisboa foi seleccionada entre os projectos financiados pela call de 2018, segundo critérios de impacto, e que permitiram a inclusão na categoria instituições que trabalham de forma sustentável, dando foco às novas florestas na cidade. A FCULresta integra ainda os cientistas Margarida Santos-Reis, Jorge Maia Alves, António Alexandre, Cristina Cruz, Otília Correia, Rui Rebelo, Pedro Pinho, Tiago Marques e Cristina Catita.

“Uma análise intercalar examinou dez projectos DEAR para destacar alguns dos seus principais resultados intercalares. No total, os projectos DEAR analisados formaram até agora 130.000 pessoas sobre as desigualdades globais, as migrações, as alterações climáticas e muito mais. Graças ao envolvimento de 10 000 jovens líderes, professores, decisores, jornalistas e outros influenciadores, as pessoas em toda a Europa estão a defender as questões DEAR. Tudo isto apenas a meio do período de vigência dos projectos DEAR. Os projectos DEAR estão a ter um impacto ao contribuírem para políticas sustentáveis, comportamentos sustentáveis e instituições que trabalham de forma sustentável”, pode ser lido no site desta iniciativa, que convida o utilizador a descobrir 14 histórias do Programa DEAR, na qual se inclui a FCULresta. O site divulga ainda uma infografia, que inclui uma imagem da minifloresta urbana da Ciências ULisboa.

Para António Alexandre, um dos grandes dinamizadores desta e de outras miniflorestas urbanas, “o futuro da FCULresta será continuar a crescer e inspirar, não só para dentro como para fora, promovendo a rede de miniflorestas que começa a aparecer por todo o Portugal”. O estudante de doutoramento da Ciências ULisboa quer contribuir com conhecimento científico, estudando os sucessos e as dificuldades da aplicação do método miyawaki em climas mediterrânicos. A sua tese intitula-se “Build SOIL, Grow PEOPLE, Harvest INSPIRATION: tiny forests in Mediterranean urban areas”.

Miniflorestas urbanas

As miniflorestas urbanas são pequenos espaços de biodiversidade autóctone em contexto urbano que se estão a disseminar um pouco por todo o mundo, desde o Japão, Índia, Holanda, Reino Unido, Chile e, mais recentemente, em Portugal, através da FCULresta, cuja plantação ocorreu em Março de 2021, refere uma nota de imprensa da Universidade de Lisboa .

As miniflorestas como locais de ensino e de aprendizagem têm imenso potencial se plantadas nas escolas, permitindo aliar a componente de biodiversidade e envolvimento comunitário à educação e sensibilização ambiental.

A FCULresta cumpre assim um outro objectivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas. Actualmente a rede de miniflorestas integra 16 projectos.

As miniflorestas urbanas têm como base o método Miyawaki, criado pelo professor e botânico japonês Akira Miyawaki (1928-2021), tendo como objectivo criar zonas de floresta autóctone biodiversas que se desenvolvam mais rápido do que quando comparado com técnicas de reflorestação tradicional.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

CCIP promove conferência “Sustentabilidade e Competitividade” em parceria com Novo Banco

Partilhar              A Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP), em parceria com o Novo Banco e …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.