Início / Agricultura / Governo anuncia mais 226,65 M€ de apoio aos agricultores e medidas para mitigar a seca

Governo anuncia mais 226,65 M€ de apoio aos agricultores e medidas para mitigar a seca

O Governo aprovou hoje, 8 de Fevereiro, em Conselho de Ministros, duas Resoluções com medidas relacionadas com o combate à seca. São assim mobilizados 26,65 milhões de euros para medidas de eficiência e de aumento da disponibilidade de água no Algarve e 200 milhões de euros para medidas de apoio excepcional aos agricultores.

Na região do Algarve, os níveis de armazenamento de água nas albufeiras situam-se abaixo dos 50%. A falta de reposição durante os períodos húmidos tem gerado um défice contínuo. Também os níveis de armazenamento das águas subterrâneas encontram-se extremamente baixos, com, aproximadamente, 84% das massas de água subterrânea apresentando volume armazenado abaixo do percentil 20, refere um comunicado de imprensa conjunto dos Ministérios da Agricultura e da Alimentação e do do Ambiente e da Acção Climática.

E acrescenta que “a situação actual no Algarve obriga à aplicação de medidas e acções extraordinárias que promovam uma maior eficiência, poupança e racionalização das reservas de água (superficiais e subterrâneas).

Assim, os dois Ministérios destacam as seguintes decisões, com efeito até 30 de Setembro e após a publicação dos diplomas:

• Reconhecer a situação de alerta na região do Algarve, por motivo de seca;

• Determinar a atribuição de apoios para medidas extraordinárias com uma dotação orçamental indicativa de 26,65 milhões de euros, distribuída da seguinte forma:
– Abastecimento público de água: 12,4 milhões de euros;
– Turismo: 10 milhões de euros;
– Agricultura: 0,35 milhões de euros;
– Gestão, monitorização e fiscalização dos recursos hídricos: 2,9 milhões de euros.

• A dotação orçamental anterior respeita a investimentos relacionados com a captação do volume morto da barragem de Odelouca e do Arade, novas captações subterrâneas para abastecimento público, eficiência hídrica no sector do turismo e campanhas de sensibilização para a poupança de água.

• Restringir o uso de água nos consumos urbanos e nos sectores do turismo e da agricultura, de imediato, com a adopção das seguintes medidas:
– Reduzir a pressão de água na rede de abastecimento público;
– Suspender a utilização de água pública ou potável na rega de espaços verdes, jardins públicos e privados, fontes ornamentais, lagos artificiais, lavagem de pavimentos, logradouros e viaturas e para compactação de vias rodoviárias;
– Promover o uso de água para reutilização nos casos anteriores;
– Suspensão do fornecimento de água da rede pública através de contadores de usos de água que não geram águas residuais (vulgo “contadores de rega”);
– Avaliação e, caso necessário, implementação de soluções complementares extraordinárias para transporte e disponibilização de água para abastecimento público, nomeadamente unidades móveis de dessalinização e transporte de água por diferentes vias;
– Revisão das tarifas de abastecimento de água em baixa, para utilizadores domésticos e não-domésticos, bem como para usos que não geram águas residuais, de acordo com as orientações da ERSAR;

• Determinar que cada utilizador municipal fica limitado ao valor correspondente a 85% do volume registado no período homólogo de 2023.

• Prever um tarifário para os consumos que excedam o limite estipulado na medida anterior.

• Impor um conjunto de restrições ao uso de água nos consumos urbanos e nos sectores do turismo e da agricultura.

• Reforçar a fiscalização.

• Actualizar os planos de contingência nos regadios colectivos prevendo a suspensão de novas áreas regadas.

• Determinar a revisão temporária e urgente dos títulos de utilização dos recursos hídricos emitidos para captação de água superficial, de modo a :
– Reduzir em 40% do volume transferido da albufeira do Funcho para a albufeira do Arade, face ao ano anterior;
– Reduzir em 50% o volume de água consumido no perímetro de rega do Sotavento Algarvio, face a 2023;
– Limitar o uso da água armazenada na albufeira da Bravura apenas ao abastecimento público, com suspensão temporária dos títulos de utilização para outros usos.

• Suspender a atribuição de novos títulos relativos a captações nas 22 massas de água subterrâneas (estado crítico), com excepção das captações de resiliência aos perímetros de rega do Sotavento do Algarve e do Alvor e das captações destinadas ao abeberamento animal em explorações licenciadas e que não disponham de alternativa mais sustentável.

• Determinar a revisão temporária e urgente de todos os títulos para captação de água subterrânea com uma redução de 15% do volume titulado.

• Autorizar as captações subterrâneas para rega de sobrevivência: no Sotavento, até ao limite máximo de 2,5 hm3/ano, com possibilidade de aumento para 4,5 hm3/ ano; no Alvor, até ao limite máximo de 0,5 hm3/ano; e, no sector Poente, até ao limite máximo de 0,5 hm3/ano.

• Definir, através da Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), os valores de referência para a rega de sobrevivência para culturas permanentes.

• Determinar que, na revisão dos títulos de utilização, quando estabeleçam um volume máximo mensal igual ou superior a 5 000 m3, se inclua a obrigatoriedade de meios de medição directa dos volumes de água extraídos e de reporte quinzenal dos volumes captados.

• Definir os apoios a atribuir ao sector agrícola e respectiva dotação para compensação das medidas de restrição do uso da água neste sector, mobilizando um apoio excepcional para minimizar os efeitos da seca, para os anos 2024 e 2025, até ao montante de 200M€ (100M€/ano), repartido por 2 eixos:
– Apoio específico para a região do Algarve e Sudoeste Alentejano de 100M€;
– Auxílio de estado notificado a nível nacional (2024 e 2025);

• Fixar compensações financeiras, em 2024 e 2025, para as entidades gestoras dos aproveitamentos hidroagrícolas da região do Algarve, no montante de €2.242.000.

• Determinar que sejam asseguradas as medidas que se afigurem adequadas, incluindo as estatutárias, a fim de dotar a EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva, das competências necessárias para promover e gerir o procedimento de aquisição centralizado de água dessalinizada para recarga das albufeiras da Bravura e de Santa Clara.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Eurodeputados portugueses e espanhóis juntos na defesa do regadio em Bruxelas

Partilhar              Eurodeputados portugueses e espanhóis, reunidos no 3º Congresso Ibérico do Milho, concordaram que “o regadio …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.