Início / Agricultura / Cortes nos Ecorregimes. FAABA: “precisamos de um verdadeiro ministro da Agricultura para que situações como esta não voltem a ocorrer”

Cortes nos Ecorregimes. FAABA: “precisamos de um verdadeiro ministro da Agricultura para que situações como esta não voltem a ocorrer”

A FAABA  — Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo “denuncia a incompetência do Ministério da Agricultura atestada pela perda de 35% nos montantes a pagar aos agricultores ao abrigo dos Ecorregimes de Agricultura Biológica e de 25% na Produção Integrada”. Reivindicam o “pagamento das ajudas comunitárias a que têm direito” e frisam: “precisamos de um verdadeiro ministro da Agricultura para que situações como esta não voltem a ocorrer”.

“Estas são perdas de rendimento muito avultadas que se juntam aos atrasos nos pagamentos das ajudas comunitárias, motivados pela grande desorganização em que decorreu o período de candidaturas, bem como às ajudas insignificantes e ridículas atribuídas à seca prolongada (os nossos colegas espanhóis receberam 3 vezes mais) e a outros constrangimentos já sobejamente conhecidos”, refere um comunicado de imprensa da Federação.

“São golpes que ferem de morte muitos agricultores e estão associados à ostensiva política de distanciamento que este Ministério da Agricultura e o Governo têm vindo a demonstrar para com o sector primário e as regiões de interior, como é o caso do Alentejo”, acrescenta o mesmo comunicado.

Segundo os agricultores do Baixo Alentejo, “com base em metas definidas de forma incorrecta relativamente à área a beneficiar pelos apoios aos Ecorregimes, os agricultores vão receber valores muito abaixo do que tinham candidatado, com os consequentes investimentos já feitos em função de uma realidade que, afinal, não corresponde à verdade. E não foi à falta de inúmeras tentativas de chegar à fala com a ministra da Agricultura. Na procura de partilhar reflexões e conhecimento”.

E salientam: “é incompetência e é abuso de poder a postura do Ministério da Agricultura e deste Governo que, embora em gestão, tem de assumir as suas responsabilidades para com os prejuízos que estão a causar aos agricultores e à agricultura da nossa região e do nosso País. Falamos das falhas do Plano Estratégico da Política Agrícola Comum, mas falamos também do isolamento cada vez maior da nossa agricultura e do nosso País em relação aos parceiros da UE [União Europeia]. Falamos da desertificação e do despovoamento das zonas rurais”.

A FAABA “não aceita a afronta de uma política de contínuo desmantelamento do sector agrícola e do empobrecimento das zonas rurais. Exige, por isso, a correcção dos erros e explicações urgentes e cabais. Exige também que verbas sobrantes de outras medidas sejam canalizadas para os Ecorregimes em questão, por forma a minimizar os prejuízos”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Consulta pública sobre Acordo Comercial UE-Canadá termina a 25 de Abril

Partilhar              A Comissão Europeia tem em curso, até dia 25 de Abril de 2024, uma consulta …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.