Início / Empresas / Calçado. Trabalhadores do Grupo Kyaia contra aumento do horário de trabalho

Calçado. Trabalhadores do Grupo Kyaia contra aumento do horário de trabalho

O Sindicato do Calçado do Minho e Trás-os-Montes, afecto à CGTP-IN, acusa a administração do Grupo Kyaia, maior grupo de calçado nacional, com fábricas em Guimarães e em Paredes de Coura, de estar a a “violar as normas do Contrato Colectivo de Trabalho”.

Na origem da indignação, diz o sindicato, está a imposição “ilegal” de duas pausas de 10 minutos, prolongando o trabalho diário em 20 minutos, e semanal em uma hora e 40 minutos.

Para protestarem contra esta medida, os trabalhadores do Grupo Kyaia vão concentrar-se amanhã, 14 de Novembro, uma concentração marcada pelo Sindicato do Calçado do Minho e Trás-os-Montes, que conta com a presença de Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN, a partir das 19h30, no Largo do Toural, em Guimarães.

Em causa pausas de 10 minutos

O Grupo Fortunato O. Frederico & C.ª, composto pelas empresas Kyaia, Kello, Kellokia e Alfos, decidiu “aumentar o horário de trabalho diário em 20 minutos, uma hora e quarenta minutos por semana, com a inclusão de duas pausas de 10 minutos, uma de manhã e outra à tarde, aos cerca de 350 trabalhadores”, refere uma nota de imprensa da CGTP-IN.

“Perante a firme recusa da maioria dos trabalhadores em aceitar o aumento diário de trabalho em 20 minutos, o Sindicato do Calçado, Malas e Afins, Componentes, Formas e Curtumes do Minho e Trás-os-Montes procurou durante as últimas semanas pela via do diálogo e da negociação encontrar uma solução para o conflito, tendo a administração mantido uma posição irredutível e prepotente na violação das normas laborais. No final do mês de Outubro descontou aos trabalhadores ilegalmente, 20 minutos diários, e procedeu à sua injustificação”, acrescenta a mesma nota.

Grupo Kyaia

Fundada em 1984 por Fortunato Frederico e Amílcar Monteiro, a Kyaia lidera um grupo empresarial com mais de 600 colaboradores, com um volume de negócios de 55 milhões de euros e um modelo de negócio que se estende, para além da produção de calçado, às áreas da distribuição, do retalho mas também ao ramo imobiliário e das tecnologias de informação.

A empresa é normalmente reconhecida pelo comum consumidor através das lojas de calçado Foreva e pela loja online Fly London.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Agricultores de Portalegre consideram restrição de apoios agroambientais “absurda”

A AADP — Associação dos Agricultores do Distrito de Portalegre considera um “absurdo” a decisão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.