Início / Agricultura / Xylella fastidiosa ainda não atacou olival em Portugal mas já chegou ao alecrim da zona urbana de Sintra

Xylella fastidiosa ainda não atacou olival em Portugal mas já chegou ao alecrim da zona urbana de Sintra

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A DGAV — Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária informou, no passado dia 7 de Agosto, que foi detectada Xylella fastidiosa em plantas de alecrim na região de Luz de Tavira e Santo Estevão, concelho de Tavira, no Algarve. Hoje, dia 10, alerta que a Xylella fastidiosa detectada em plantas de alecrim na região de Massamá e Monte Abraão, em Sintra.

A Xylella fastidiosa foi detectada pela primeira vez no território nacional a 3 de Janeiro de 2019 em Vila Nova de Gaia, em plantas ornamentais, como a lavanda. Em causa uma bactéria que pode estar associada a 58 espécies/géneros de plantas, entre eles, a amendoeira, a cerejeira, a ameixeira, a oliveira, o sobreiro, a figueira, bem como plantas ornamentais e da flora espontânea.

A verdade é que a Europa corre o risco de perder o seu olival, a menos que sejam encontradas soluções para combater a Xylella fastidiosa. Embora já existam alguns produtos no mercado, ainda não existem pesticidas cientificamente comprovados como eficazes contra a bactéria, de acordo com a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA).

Xylella fastidiosa em Sintra

Quanto à Xylella fastidiosa detectada em plantas de alecrim na região de Massamá e Monte Abraão, em Sintra, diz a DGAV que, em resultado dos trabalhos de prospecção oficiais, conduzidos pela Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo (DRAP LVT), no contexto do Plano de Acção Nacional para o Controlo da Xylella fastidiosa e seus vectores, foi obtido um resultado positivo para esta bactéria, numa amostra colhida num canteiro de plantas de alecrim existentes num espaço público em zona urbana.

A determinação da subespécie da bactéria encontra-se ainda em curso.Os serviços de inspecção fitossanitária da DRAPA LVT, em estreita articulação com a Direcção Geral de Alimentação e Veterinária, estão já a implementar as medidas fitossanitárias em conformidade com a regulamentação da União Europeia, no sentido de se averiguar a origem da infecção, e proceder à sua erradicação, garante a DGAV.

Na zona infectada, uma área de 50 metros em redor das plantas infectadas, foi realizado um levantamento intensivo das plantas aí existentes e foram colhidas 44 amostras, cujas análises decorrem no INIAV — Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

Acrescenta aquela direcção que foi estabelecida uma zona demarcada, que inclui a zona infectada e uma zona tampão de 2,5 km, na qual estão a ser feitas amostragens intensivas a outras plantas susceptíveis à bactéria, assim como a averiguação da existência de insectos vectores.

O que é?

O género Xylella, criado por Wells et al. (1987) é composto por uma única espécie, a Xylella fastidiosa. A espécie inclui várias estirpes, e caracteriza-se por um crescimento lento em meios de cultura. As colónias crescem em meios artificiais, a 26-28°C, a pH entre 6, 5-6, 9, podem ser lisas ou rugosas, opalescentes e circulares. É uma bactéria vascular que vive no xilema das plantas, sendo transmitida por insectos.

De acordo com trabalhos de sorologia e tipagem genética, as suas estirpes foram divididas em cinco subespécies: Xylella fastidiosa subsp. piercei (que inclui estirpes de videira), Xylella fastidiosa subsp. sandyi (loendro), Xylella fastidiosa subsp. multiplex (vários hospedeiros) e Xylella fastidiosa subsp. pauca (que inclui ameixeira, cafeeiro e citrinos) e a Xylella fastidiosa subsp. tashke, que foi identificada na Chitalpa (Chitalpa tashkentensis) uma árvore ornamental.

Origem e distribuição geográfica

Os trabalhos com doenças causadas pela bactéria Xylella fastidiosa, incluída na Organização Europeia e Mediterrânica para a Protecção das Plantas (EPPO), Lista A1, tiveram o seu início nos Estados Unidos, devido à presença da doença conhecida como “Doença de Pierce” na videira.

Por muitos anos, Xylella fastidiosa permaneceu confinada à América. Em 1994, foi observada na Ásia, em Taiwan, causando queimaduras foliares na pêra asiática (P. pyrifolia).Na década de 2000, foi relatado também o aparecimento da doença de Pierce nas vinhas de Taiwan.

A identificação, em 2013, em Apuglia (Itália meridional) representa a primeira detecção confirmada na Europa.

As vias de introdução da na Ásia ou Europa são desconhecidas, segundo um dos boletins técnicos do INIAV, o laboratório de Estado do Ministério da Agricultura e do Mar (MAM), que desenvolve actividades de investigação nas áreas agronómica e veterinária.

Hospedeiros

A bactéria tem uma extensa lista de hospedeiros com 132 espécies confirmadas, de 46 famílias diferentes.

Para Portugal, o INIAV decidiu que as espécies a prospectar são aquelas que têm um maior impacto económico, e que têm alguma relação com Itália: videira (Vinis vinífera L.), oliveira (Olea europaea L.), amendoeira (Prunus amygdalus), laranjeira (Citrus sinensis (L.) Osbeck), loendro (Nerium oleander L.) e carvalhos (Quercus sp. L.).

No entanto, “não podemos esquecer a importância das pastagens na disseminação da doença, já que a X. fastidiosa é também o agente da luzerna anã (Medicago sativa L.) e da murchidão da congoça ou pervinca” diz Paula Sá Pereira, do INIAV.

As plantas infestantes tais como gramíneas, ciperáceas e árvores podem ser hospedeiros da Xylella fastidiosa, muitas vezes sem mostrar sintomas.

Sintomas

Em videira (doença de Pierce) os sintomas são a murchidão das folhas, com distribuição irregular e dieback, “ilhas” verdes de tecido saudável e separação da folha do pecíolo.

Em oliveira (Olive Quick Decline Syndrome), aparecem queimaduras foliares e um declínio rápido de oliveiras envelhecidas, com morte progressiva da zona apical para a raiz.

Os sintomas da doença Clorose Variegada dos Citrinos (CVC), passam pelo aparecimento de manchas cloróticas amareladas de bordos irregulares, semelhantes às que aparecem devido à deficiência de zinco.

A superfície inferior mostra-se ligeiramente levantada e acastanhada com manchas necróticas em folhas adultas em ramos isolados, começando pela parte mediana da copa e expandindo-se por toda a planta.

No início, pode-se observar poucos ramos com frutos pequenos. Em estado avançado da doença, toda a planta produz frutos ananicados.

Os sintomas da doença Oleander Leaf Scorch, OLS em loendros, são o amarelecimento das folhas, que é seguido pela característica queimadura e necrose da zona apical das folhas.

Em amendoeiras a doença provocada por Xylella fastidiosa é chamada de Almond Leaf Scorch disease (ALS). A doença provoca padrões irregulares de necrose da folha causando queimaduras foliares que conduzem a uma clara diminuição da produtividade, uma mortalidade progressiva a partir dos ramos apicais e, finalmente, morte de árvores afectadas com ALS.

A sintomatologia da doença em Quercus sp. (Bacterial leaf scorch disease – BLS.), é a queimadura foliar, irregular nos carvalhos, bem evidente no final do Verão e Outono, com descoloração apical pronunciada com um halo vermelho ou amarelo entre tecidos queimados e verdes, e as nervuras sobressaem em amarelo nas zonas aparentemente sãs.

No pessegueiro a doença é denominada por Phony Peach Disease (PPD) e apresenta sintomas morfológicos externos característicos, como ramos com entrenós mais curtos, comprimento dos pecíolos e da área foliar também menores e, num estágio mais avançado da infecção, ocorre senescência das folhas mais maduras, ficando o ramo desprovido de folhas ou com pequeno número de folhas reduzidas no seu ápice.

Meios de protecção

Não existindo meios de luta directa contra a Xylella fastidiosa, o combate a esta doença passa essencialmente por medidas de natureza preventiva, actuando sobre o vector e o material de multiplicação: medidas fitossanitárias são aplicadas para impedir a introdução e a propagação da doença que incluem o uso de cultivares resistentes, certificação de material de multiplicação e a remoção e destruição de material infectado; gestão de insectos vectores e hospedeiros espontâneos, nas zonas envolventes dos pomares, olivais etc.

Mas, “meios de luta químicos e controlo por meio de antibióticos não são eficazes”, diz o INIAC, que aconselha também a utilização de enxertos isentos de Xylella fastidiosa em novas plantações; controlo de vectores em pomares jovens; eliminação de plantas doentes em pomares de até quatro anos de idade e superiores a essa idade, controle de infestantes, poda de ramos com sintomatologia, manutenção do pomar em boas condições nutricionais e estabelecimento de quebra-vento.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

PSD pede à ministra da Agricultura que esclareça atribuição de terrenos agrícolas em Idanha-a-Nova

Partilhar              O Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata (PSD) quer saber o que se passou com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.