Início / Economia / Volume de pescado capturado cresce em Agosto. Cavala e atuns a liderar

Volume de pescado capturado cresce em Agosto. Cavala e atuns a liderar

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O volume de capturas de pescado em Portugal aumentou 20,8% em Agosto de 2018 (+17,9% em Julho), resultante sobretudo da maior captura de peixes marinhos, nomeadamente cavala e atuns, mas também do aumento registado nos crustáceos e moluscos.

Segundo o  Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Outubro de 2018, do Instituto Nacional de Estatística (INE), às 19.269 toneladas de pescado correspondeu uma receita de 33.153 mil euros, valor que representou igualmente um acréscimo de 7,4% (+23,0% em Julho).

Regiões Autónomas

Na Região Autónoma dos Açores foram capturadas 2.497 toneladas de pescado, ou seja um aumento de 233,4% (+119,3% em Julho), devido sobretudo à maior captura de atuns.

Pelo contrário, na Região Autónoma da Madeira as 845 toneladas capturadas representaram um decréscimo de 24,7% (+16,7% em Julho), motivado sobretudo pela menor captura de tunídeos.

Peixes marinhos

O volume de peixes marinhos a nível nacional foi de 16 555 toneladas e teve um acréscimo de 15,9%, (+19,1% em Julho).

Esta situação resultou principalmente do maior volume de captura de cavala, que mais do que duplicou (+127,6%), com 7.408 toneladas, atuns (+120,0%), com 2.523 toneladas, pescadas (+3,5%), com 153 toneladas e peixe-espada (+0,6%), com 393 toneladas capturadas.

Contrariamente, registaram-se menores capturas de carapau (-32,6%), com apenas 1 414 toneladas e de sardinha (-11,5%), com 2.494 toneladas capturadas.

Relativamente à sardinha, está em vigor o despacho n.º 7279-A/2018 de 31 de Julho de 2018, que estabelece limites de captura desta espécie para o continente e pela arte do cerco entre 1 de Agosto e 30 de Setembro de 2018.

O volume de crustáceos (149 toneladas) aumentou 63,8% (+53,0% em Julho) devido principalmente, e tal como em Julho, ao maior volume de gamba branca e caranguejos. Os moluscos apresentaram igualmente um aumento de 62,2% (+3,8% em Julho) com 2.564 toneladas, sendo de destacar uma maior captura de polvo e berbigão, mas também de lulas, choco e mexilhões.

Preço médio

O preço médio do pescado descarregado (variável não resultante das capturas nominais mas sim da valorização das quantidades descarregadas vendidas em lota) foi 1,70 euros/kg, ou seja, um decréscimo de 11,7% (+4,6% em Julho).

O preço médio dos peixes marinhos (1,39 euros/kg) teve igualmente um decréscimo de 18,9%, devido sobretudo à descida de preço da cavala, atuns e pescadas.

O preço dos crustáceos (12,64 euros/kg) diminuiu 33,4%, nomeadamente pelo menor preço da gamba branca e dos caranguejos. O preço médio dos moluscos foi 3,43 euros/kg e aumentou 10,2%, devido ao maior preço atingido por espécies como o berbigão, o choco e as amêijoas.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Festa da Cereja de Alfândega da Fé cancelada devido à Covid-19

Partilhar            O presidente da Câmara Municipal de Alfândega da Fé, Eduardo Tavares, informa que a edição …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.