Início / Agricultura / Utilização de chumbo na caça, tiro desportivo e pesca. Concorda? Dê a sua opinião. Consulta pública até 24 de Setembro

Utilização de chumbo na caça, tiro desportivo e pesca. Concorda? Dê a sua opinião. Consulta pública até 24 de Setembro

A Agência Europeia dos Produtos Químicos (ECHA) convida as partes interessadas a enviarem informações científicas e técnicas sobre a utilização de chumbo em munições para caça e tiro desportivo, bem como na pesca. O tema está em consulta pública até 24 de Setembro de 2021. Dê sua opinião aqui.

A ECHA apresentou a proposta de restrição do chumbo em munições para tiro ao ar livre e em artigos de pesca em 15 de Janeiro e publicou-a em 3 de Fevereiro de 2021.

O chumbo tem sido usado em munições para caça e tiro desportivo e em artigos de pesca há séculos. Devido a essas utilizações, estima-se que na União Europeia sejam lançadas, anualmente, cerca de 100.000 toneladas de chumbo no ambiente: 79 % provenientes do tiro desportivo, 14 % da caça e 7 % das actividades de pesca, realça a Agência.

“É sabido que a utilização de chumbo em munições de caça ou artigos de pesca causa o envenenamento por chumbo da vida selvagem, nomeadamente das aves. A saúde das pessoas também pode ser afectada pelo chumbo residual presente na caça abatida com munições de chumbo ou ao preparar em casa munições, pesos para linhas de pesca ou anzóis-isco de chumbo”, acrescenta a Agência Europeia dos Produtos Químicos.

E garante que se as emissões actuais de chumbo destas actividades continuarem, “serão libertados para o ambiente cerca de 1,9 milhões de toneladas de chumbo nos próximos 20 anos”.

Fencaça com FACE

Refira-se que a Fencaça – Federação Portuguesa de Caça está a trabalhar “em estreita colaboração” com o Grupo de Trabalho de Munição da  FACE — Federação Europeia de Caça e Conservação para “garantir a sua boa preparação para a consulta”.

Ao nível da FACE está a ser finalizando o estudo sócio-económico sobre os impactos de uma proibição de chumbo onde mais de 18.000 respostas foram já recebidas, o qual servirá para avaliar as consequências económicas da proposta de interdição total do chumbo nas munições utilizadas na actividade cinegética.

Brevemente terá lugar um webinar do Fórum Europeu do Desporto do Tiro (ESSF) para “ajudar a garantir uma mais ampla coordenação do sector”, refere a Fencaça.

Alternativas ao chumbo

Para a ECHA há alternativas ao chumbo. “Restringir as munições à base de chumbo já não é novidade. Muitos Estados‑membros da UE, ou regiões desses Estados-membros, já têm proibições em vigor para determinados tipos de munições. A experiência desses países mostra que os caçadores e os praticantes de tiro desportivo têm conseguido adaptar-se à utilização de alternativas sem problemas de maior no que respeita a questões de ricochete ou segurança”.

E acrescenta que os estudos “mostram que a eficácia das balas sem chumbo (em grandes calibres) é a mesma das balas de chumbo e que a caça ética pode ser garantida com alternativas sem chumbo”.

Esferas de aço

Diz a Agência que “a eficácia das esferas de aço melhorou significativamente desde a sua introdução. Estudos no terreno mostraram que os caçadores que utilizam esferas de aço podem obter os mesmos resultados que com chumbos de caça. A distância de tiro efectiva das esferas de aço modernas é compatível com a distância usada normalmente na caça”.

E que “para algumas espécies de aves aquáticas de grande porte, como os gansos, poderão ser necessárias caçadeiras compatíveis com cartuchos de esferas de aço de “elevado desempenho”.

Para a Agência Europeia dos Produtos Químicos, os estudos efectuados mostram que “existe ricochete tanto com esferas de aço como com chumbos de caça. A experiência prática na Dinamarca, bem como investigações realizadas na Alemanha, indica que não existe um risco acrescido de acidentes ou ferimentos decorrentes do ricochete quando são utilizadas esferas de aço, em comparação com os chumbos de caça”.

“Os preços actuais das esferas de aço e dos chumbos de caça são comparáveis”, garante a Agência europeia.

Esferas de bismuto e tungsténio

E diz que também podem ser usadas esferas à base de bismuto ou tungsténio como alternativas aos chumbos de caça. “Podem ser usadas em qualquer caçadeira, incluindo caçadeiras mais antigas em que pode não ser adequada a utilização de esferas de aço”.

Os cartuchos à base de bismuto e tungsténio são actualmente cerca de quatro a cinco vezes mais caros do que os cartuchos de chumbo. “Também é provável que continuem mais caros do que os cartuchos de chumbo (e de esferas de aço), uma vez que são produzidos, vendidos e usados em muito menor quantidade”.

Munições para espingardas

Estão disponíveis no mercado europeu munições sem chumbo para espingardas numa vasta gama de calibres adequados à maioria das situações de caça na Europa. “Pelo menos 13 grandes empresas europeias produzem balas sem chumbo para espingardas de diferentes calibres”, diz a ECHA.

Resumindo, a Agência refere que as “balas sem chumbo podem ser compradas a custos ligeiramente superiores, mas não é de esperar que a diferença de preço venha a restringir as actividades de caça ou de tiro desportivo”.

E acrescenta que “também estão disponíveis várias alternativas para pesos de chumbo e anzóis-isco, como os de estanho, tungsténio, vidro ou várias ligas”.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Estação Biológica de Mértola tem vaga para Bolsa de Investigação para Doutoramento

Partilhar              A Câmara Municipal de Mértola informa que a EBM — Associação Estação Biológica de Mértola …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.