Início / Agricultura / UNAC alerta para “opção cega na agricultura biológica, inviável em termos produtivos e destruidora em termos sociais”

UNAC alerta para “opção cega na agricultura biológica, inviável em termos produtivos e destruidora em termos sociais”

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O presidente da UNAC – União da Floresta Mediterrânica, António Gonçalves Ferreira, diz que há um “posicionamento eco-fundamentalista do apparatchik europeu” e que o Green Deal e a Estratégia da Biodiversidade, que inclui a das florestas, “são boas iniciativas, com as quais concordamos nas grandes linhas orientadoras”, mas que podem vir a “ferir de morte a agricultura europeia”. E alerta que “a opção cega na agricultura biológica, inviável em termos produtivos e destruidora em termos sociais — porque só poucos consumidores lhe poderão aceder — não pode ser uma orientação de sentido único, num tempo em que a diversidade e a liberdade individual de escolha parece querer ser transformada em propriedade de alguns”.

Presidente da UNAC: Pelo que os media nos vão informando e as redes sociais replicam, de forma nem sempre representativa, as coisas não vão correr bem para o futuro da agricultura europeia

As declarações foram feitas hoje, 26 de Maio, em Santarém, durante o “Fórum para o Futuro da Agricultura” (FFA), a conferência internacional onde agricultura e ambiente se encontram para um diálogo aberto.

Uso de fitofármacos

E foi nesse espírito de diálogo aberto que o presidente da UNAC afirmou que, no que diz respeito ao uso de fitofármacos, “a argumentação científica isenta tem que ser a base de um sistema com elevado grau de precaução em que a proibição, motivada por preocupações populistas e ideológicas, não seja a opção de serviço”.

António Gonçalves Ferreira, presidente da UNAC

Já quanto à utilização de adubos e fertilizantes ou da água para rega, António Gonçalves Ferreira, realçou que “a eficiência que conseguimos é cada vez maior, resultado de uma agricultura de precisão e pressionada pela necessidade de racionalidade económica, as opções não podem ser cerceadas administrativamente, sem critério e sem olhar às especificidades das opções produtivas e das realidades regionais”.

Para António Gonçalves Ferreira, “a utilização de um discurso formatado, baseado em ideias benévolas, mas inconsequentes e perigosas, como as cadeias curtas ou os malefícios de uma suposta intensificação, não nos pode iludir. Estas são as linhas vermelhas inultrapassáveis, que os ministros que nos defendem e os deputados que nos representam têm que respeitar e assegurar, sem vacilar, no diálogo com uma Comissão Europeia, arvorada defensora de um modelo de sociedade fundamentalista e pouco inclusivo, condicionador do mais básico direito dos cidadãos europeus – a liberdade de escolha”.

“Pelo que os media nos vão informando e as redes sociais replicam, de forma nem sempre representativa, as coisas não vão correr bem para o futuro da agricultura europeia”, garante o presidente da UNAC.

Green Deal

António Gonçalves Ferreira acusa ainda: “tentam passar um atestado de menoridade à maioria da sociedade e recorrendo a mensagens catastróficas e por vezes intimidatórias, onde as “fake news” são elemento recorrente. Têm um trabalho profissional e metódico que pretende impor comportamentos e atitudes, sem antecipar impactos nem prever qualquer mitigação”.

E diz que o Green Deal e a Estratégia da Biodiversidade, “são boas iniciativas”, no entanto “vão ferir de morte a agricultura europeia e o mundo rural se não repensarmos as metas e os métodos para as atingir: reforçando a precaução, por opção à proibição; melhorando a eficiência, combatendo a imprudência; apostando na liberdade, lutando contra a irracionalidade; promovendo a diversidade, como contrapartida à obrigatoriedade”.

Para o presidente da UNAC, os agricultores precisam de “reinventar no discurso, sobre dois prismas: no combate positivo e construtivo, mas sem tréguas, às metas irracionais e irrazoáveis propostas pela Comissão Europeia, constantes do Green Deal e da Estratégia da Biodiversidade; no modelo de comunicação, direccionando-o para a sociedade e para os cidadãos, com um fluxo de informação, constante e verdadeiro e uma forte presença nas redes sociais”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Cavalo Lusitano. Próximas aprovações de machos ao Livro de Adultos na Companhia das Lezírias e na Agrária de Coimbra

Partilhar              Se é produtor de cavalo lusitano, saiba que em 2021 só restam duas concentrações para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.