Início / Featured / UÉ: energia solar fotovoltaica flutuante pode exceder meta nacional definida no PNEC 2030

UÉ: energia solar fotovoltaica flutuante pode exceder meta nacional definida no PNEC 2030

A Universidade de Évora anuncia que a energia solar fotovoltaica flutuante tem capacidade para exceder a meta nacional definida no Plano Nacional Energia e Clima 2030 para Portugal (PNEC 2030) para a energia fotovoltaica em Portugal

Esta é a principal conclusão de um estudo conduzido por investigadores da Cátedra Energias Renováveis (CER) da Universidade de Évora (UÉ). Os resultados obtidos permitem concluir que a potência instalada em sistemas solares fotovoltaicos flutuantes consegue exceder a meta nacional de 7 GW, definida no PNEC 2030 para a energia fotovoltaica no sector da energia eléctrica.

A análise dos resultados sugere que a nível regional é o Alentejo que apresenta maior potencial nesta área, quer em termos da superfície da água existente quer ao nível do recurso solar, refere uma nota de imprensa da Universidade.

E adianta que, mesmo aplicando-se uma redução de 85% à superfície de água total disponível a nível nacional, e com os critérios de selecção a incluírem algumas questões técnicas e de natureza ambiental, em particular os activos já existentes como as hidroeléctricas, parques eólicos ou sistemas centralizados de armazenamento de energia, os resultados deste estudo da Universidade de Évora, conclui que o potencial dos sistemas de energia solar fotovoltaica flutuante conseguem atingir, pelo menos uma capacidade nacional estimada de 10,8 GW.

Luís Fialho, investigador da CER da academia alentejana, sublinha a importância deste estudo pela “necessidade de descarbonizar o nosso sistema electroprodutor através de fontes renováveis, sendo chave para uma electricidade mais barata e sustentável”.

Alentejo apresenta maior área disponível para flutuação

O Alentejo, tal como referido, apresenta a maior área disponível para flutuação e implantação fotovoltaica com 32% do total nacional de área disponível, principalmente devido ao lago (barragem) de Alqueva, um dos maiores reservatórios artificiais de água da Europa.

Juntamente com a região do Algarve, as regiões mais a Sul de Portugal apresentam valores muito semelhantes de potencial de recurso solar com a região do Alentejo a destacar-se ao combinar uma grande área disponível para a instalação destes sistemas.

A região Centro do país representa 27% e a 3ª maior área disponível está na região de Lisboa e Vale do Tejo com 15%.

O investigador regista que o nosso País tem um potencial de recurso solar bastante importante com uma irradiação solar global anual superior a 1800 kWh/m2, o que a par duma forte redução de custo dos sistemas fotovoltaicos na última década, leva a que a energia solar fotovoltaica apresente um crescimento de mercado e uma penetração cada vez maior no sistema electroprodutor nacional português.

“A aplicação da tecnologia fotovoltaica flutuante traz a vantagem de usar uma área potencialmente não utilizada, reduzindo a ocupação de solos para este fim, e pode apresentar um aumento de rendimento devido à sua instalação sobre a água, ao mesmo tempo que proporciona uma redução na evaporação” tal como é demonstrado neste estudo que fornece uma análise abrangente do potencial de instalação deste sistema em Portugal continental, usando corpos d’água, com informação fornecida pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e outras entidades, onde se incluem dados sobre localização e respetivas áreas de barragens, lagos, entre outras massas de água.

“Esta análise resulta de um mapeamento das áreas potenciais para o sistema solar fotovoltaica flutuante aplicados no território nacional, estabelecendo uma relação entre a disponibilidade de radiação solar e a distribuição geográfica dos corpos d’água nas diferentes regiões do país”.

Em suma, realça Luís Fialho, este sistema pode contribuir decisivamente para a meta de capacidade instalada definida na Política Nacional de Energia e Clima Plano 2030 (PNEC 2030), que define a meta de 7 GW de sistemas solares fotovoltaicos em 2030.

A Cátedra Energias Renováveis assume hoje um papel de destaque na investigação desta tecnologia, estando neste momento a monitorizar a maior central experimental europeia de sistemas fotovoltaicos flutuantes – Central Fotovoltaica de Sierra Brava – propriedade da Acciona Energia, onde se incluem 5 tecnologias distintas com uma potência total de 1.125 MW.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Faro une-se a Huelva e Sevilha na luta por ligação ferroviária de alta velocidade entre Algarve e Andaluzia

Partilhar              A Câmara Municipal de Faro uniu-se aos Ayuntamientos de Huelva e Sevilha (Espanha) para reivindicar …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.