Início / Agricultura / Técnica agrícola com mais de 3.000 anos pode ajudar colheitas a sobreviverem às alterações climáticas
Foto: Alex McAlvay/Jardim Botânico de Nova York Nikoloz Lomsadze, pastor sénior de uma igreja em Dedoflis Tskaro, no Leste da República da Geórgia, observa o seu campo de cevada e trigo misturados

Técnica agrícola com mais de 3.000 anos pode ajudar colheitas a sobreviverem às alterações climáticas

Várias variedades de trigo e cevada.

Semear misturas de espécies de cereais (maslins), que podem conter arroz, milhete, trigo, centeio, cevada, triticale e muito mais, trata-se de uma técnica agrícola com mais de 3.000 anos que tem a capacidade única de se adaptar em tempo real ao clima cada vez mais imprevisível e extremo causado pelas alterações climáticas.

Uma técnica milenar agora relembrada pelo cientista ambiental da Universidade de Cornell, Professor Morgan Ruelle, depois de durante uma pesquisa sobre diversidade alimentar, em 2011, na Etiópia, ter ouvido falar de uma cultura que o confundia.

Os agricultores locais mencionaram repetidamente um grão chamado “duragna”, em amárico, que não tinha equivalente em inglês. “Eles diziam: ‘bem, não é realmente trigo, não é realmente cevada’”, diz Morgan Ruelle, salientando que ficou “perplexo com isto durante várias semanas”.

Por fim, um agricultor explicou que a ‘duragna’ era na verdade uma mistura de trigo e cevada e, às vezes, de outros grãos também, plantados juntos, em vez de um tipo de grão semeado em fileiras ordenadas.

E foi numa exploração agrícola em Amhara que Morgan Ruelle se deparou com um dos poucos lugares no Mundo onde os agricultores ainda semeiam maslins.

O conhecimento que os fazendeiros partilharam com Ruelle levou a um artigo científico que sugere que os maslins, que alimentam os humanos há milénios, mas agora esquecidos, têm a capacidade única de se adaptar em tempo real ao clima cada vez mais imprevisível e extremo causado pelas alterações climáticas.

A pesquisa, financiada por uma doação do Cornell Atkinson Center for Sustainability, reúne trabalhos anteriores em agronomia, etnografia, arqueologia, história e ecologia. E mostra que os maslins – derivado uma palavra latina para “misto” – são usados ​​há mais de 3.000 anos e em pelo menos 27 países, do Norte de África à Europa e Ásia e posteriormente na América do Norte. “Os maslins selvagens podem até ter dado origem à agricultura”, refere o estudo.

Adaptação às alterações climáticas

“Agricultores de subsistência em todo o Mundo têm gerido e mitigado os riscos nas suas explorações há milhares e milhares de anos e desenvolveram essas estratégias adaptadas localmente para o fazer”, diz o ex-pesquisador de pós-doutorado da Universidade de Cornell, Alex McAlvay, primeiro autor do artigo e agora pesquisador do Jardim Botânico de Nova York. “Há muito que podemos aprender com eles, especialmente agora, em tempos de mudança climática”, diz.

No início, Morgan Ruelle – agora professor assistente de ciência e política ambiental na Clark University – pensou que os agricultores estavam a cultivar maslins juntos e depois os separavam durante a colheita, uma técnica bastante fácil com outras plantações mistas, como favas, que crescem altas e baixas, ou ervilhas. Mas trigo e cevada? “Não consigo imaginá-los a passar pelo campo e dizerem: isto é trigo, isto é cevada. Isto parecia muito difícil”.

Então aquele Professor começou a perceber que os agricultores pensam na mistura como uma única cultura. As mulheres começaram a contar que a usavam para fazer pão, cerveja, injera – uma panqueca de fermento – e kollo, um lanche popular de cereais torrados, legumes e oleaginosas. O trigo e a cevada são plantados juntos, colhidos juntos, preparados e consumidos juntos.

“Imediatamente pensámos, as proporções [de trigo e cevada] devem mudar ano para ano”, diz Ruelle. “É essa entidade responsiva em constante evolução. Por conta própria, está a operar fora do controlo do agricultor para responder a quaisquer condições que aconteçam”.

Por exemplo, se uma chuva excepcionalmente forte destrói metade das plantas, as plantas que ainda estão de pé estão bem adaptadas a esse evento de chuva, diz Anna DiPaola, estudante de doutorado e co-autora do artigo. “A natureza está a dar feedback ao agricultor e dizendo: ‘isso é bem adaptado. Plante de novo’”.

E se uma seca torna um ano mau para o trigo, a cevada, que tende a ser mais resistente à seca, compensará e produzirá um rendimento melhor, diz Ruelle. “Então, não importa o que aconteça, você poderá sempre fazer pão”.

Grãos mistos crescem na República da Geórgia. Os pesquisadores do projecto dizem que a Geórgia é indiscutivelmente o centro da diversidade do trigo; pelo menos 12 tipos diferentes de misturas eram tradicionalmente cultivados no país até recentemente.

Por sua vez, Alex McAlvay, na sua primeira viagem de campo à Geórgia, no Verão de 2022, conversou com um padre que cultivava uma mistura de trigo e cevada, que usa para os santos sacramentos e festas da igreja. “Ele disse: ‘Se um falhar, pelo menos temos o outro.’ O tradutor usou exactamente as mesmas palavras que o tradutor da Etiópia havia usado. Eu pensei: ‘Uau, isso é um fenómeno’”, diz McAlvay.

Mais rápido que a evolução

As proporções nas misturas mudam de ano para ano, adaptando-se automaticamente às condições de cultivo disponíveis. Se uma área estiver a ficar cada vez mais seca, o trigo não crescerá tão bem, e a semente que o agricultor guarda para o próximo plantio incluirá automaticamente menos trigo e mais cevada, diz McAlvay.

“É mais rápido que a evolução. Se tivesse apenas uma variedade fraca, levaria muito tempo para se adaptar”, diz. “Mas se tiver várias espécies e variedades, essas mudanças podem acontecer muito rapidamente”.

Essa capacidade torna os maslins uma estratégia perfeita para lidar com a mudança climática – especialmente porque são mais imediatamente escaláveis ​​de uma forma que outras policulturas. Seria necessária nova maquinaria para colher o feijão e o milho cultivados juntos. “Mas já temos a tecnologia para colher esses grãos há muito tempo”, diz McAlvay.

Saiba mais sobre esta pesquisa aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Inspectores de navios de São Tomé e Príncipe treinam na DGRM

Partilhar               A DGRM – Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos informa que esta semana …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.