Início / Agricultura / Taxas dos EUA. Impactos negativos nas vendas de queijo de São Jorge? “Açores assume responsabilidades”

Taxas dos EUA. Impactos negativos nas vendas de queijo de São Jorge? “Açores assume responsabilidades”

O Governo dos Açores “não se demitirá das suas responsabilidades se houver impactos negativos na venda de queijo de São Jorge” nos Estados Unidos. Quem o diz é João Ponte, secretário Regional da Agricultura e Florestas,que promete criar “um plano de contingência que permita anular os eventuais impactos negativos”.

Ou seja, O Governo Regional dos Açores assume para, compensar, os produtores de queijo.

Relembre-se que as exportações de queijo açoriano para os Estados Unidos podem ser seriamente afectadas com o impacto das novas taxas alfandegárias decididas por Trump, numa guerra comercial que começou com apoios financeiros a uma companhia aérea europeia, que nada tem a ver com o agronegócio.

O secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou ontem, 14 de Fevereiro, que o Governo dos Açores “não se demitirá das suas responsabilidades se os EUA não recuarem na decisão de agravamento das taxas aduaneiras” aos produtos lácteos europeus e caso não haja uma resposta adequada da União Europeia para compensar os impactos que possam ocorrer nas cooperativas e nos produtores.

Taxas aduaneiras impostas pelos EUA

“Se verificarmos que este agravamento das taxas aduaneiras impostas pelos EUA não for alterado e influenciar o volume de vendas do queijo de São Jorge naquele país, bem como não surgirem medidas de apoio adequadas por parte da União Europeia, o Governo Regional não se demitirá das suas responsabilidades e criará um plano de contingência que permita anular os eventuais impactos negativos que possam surgir nas cooperativas de lacticínios”, frisou João Ponte, à margem de uma visita à Finisterra – Cooperativa Lacticínios do Topo pelos membros do Conselho Regional da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

João Ponte, em declarações aos jornalistas, disse que o Governo dos Açores continua a acreditar que será possível, pela via diplomática, isentar o queijo de São Jorge deste agravamento das taxas aduaneiras.

“Não faz qualquer sentido que o queijo de São Jorge seja envolvido numa luta que nada tem a ver com o sector dos lacticínios”, salientou.

Influência política

Os governos dos Açores e da República têm desenvolvido várias iniciativas, a diferentes níveis de influência, seja para reverter uma decisão unilateral da administração norte-americana que resulta de lutas ao nível do sector aeronáutico ou para a criação, no âmbito da União Europeia, de medidas que venham a compensar os prejuízos resultantes desta decisão.

O secretário Regional da Agricultura e Florestas destacou ainda o trabalho de recuperação financeira que o sector cooperativo em São Jorge tem vindo a fazer e a aposta na qualidade do queijo que é produzido.

“Numa ilha onde o queijo é motor da economia, gera emprego, riqueza e é imagem de marca, a recuperação financeira que o sector cooperativo tem vindo a fazer é essencial para assegurar a sustentabilidade da produção de leite em São Jorge”, referiu João Ponte.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Município da Moita promove workshop sobre compostagem doméstica e horta terapêutica

Partilhar              A Câmara Municipal da Moita vai realizar no dia 2 de Março, entre as 9 …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.