Início / Agricultura / Secretário geral da CAP apela à implementação de um “digital rural act”

Secretário geral da CAP apela à implementação de um “digital rural act”

A FNA 22 – Feira Nacional de Agricultura/Feita do Ribatejo foi hoje, 8 de Junho, palco da Conferência “Os desafios para os agricultores e para a agricultura no futuro”, promovida pela CAP — Confederação dos Agricultores de Portugal, durante a qual se abordou a perspectiva tecnológica e a transformação que o sector agrícola irá ter nos próximos anos.

A intervenção de Luís Mira, secretário geral da CAP, incidiu sobre a necessidade de implementar um “digital rural act” que permitirá ao mundo rural não ficar de fora do processo de digitalização.

No âmbito deste debate, António Câmara, da Universidade Nova de Lisboa, apresentou a sua visão baseada na Internet das coisas e na utilização de várias soluções tecnológicas que permitirão que a agricultura utilize e beneficie dessas soluções. Já a P-Bio, referiu a evolução relacionada com a tecnologia biológica e a sua utilização nos desafios que a agricultura enfrenta.

Na sessão de encerramento, Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP, alertou para vários problemas no sector como a urgência do 5G que permitirá uma internet mais eficiente, a burocracia dos apoios ao investimento, os elevados custos da energia ou a necessidade de olhar a para a água como um recurso fundamental para a coesão do território.

Mitigação das Alterações Climáticas

Durante o dia de hoje da Feira Nacional de Agricultura foram apresentados 11 projectos referentes à Adaptação e Mitigação de Alterações Climáticas, numa cerimónia promovida pelo Ministério da Agricultura e da Alimentação que contou com a presença da ministra de Agricultura, Maria do Céu Antunes, da Ministra da Ciência e Tecnologia, Elvira Fortunato, do secretário de Estado da Agricultura, Rui Martinho e da secretária de Estado do Comércio e Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques.

Seis dos projectos apresentados estão relacionados com a “Adaptação às Alterações Climáticas” e têm a coordenação do Instituto Politécnico de Santarém, da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, da PORVID – Associação Portuguesa para a Diversidade da Videira, do Centro de Competências para o Tomate e Indústria (CCTI), do Instituto Politécnico de Coimbra (Escola Superior Agrária) e Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Os outros cinco projectos referentes à “Mitigação das Alterações Climáticas” contam com a supervisão da Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação e Desenvolvimento do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, do Instituto Politécnico de Coimbra e do Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Volume de capturas de pescado em Portugal diminui 29% em Abril de 2022

Partilhar              O volume de capturas de pescado em Portugal diminuiu 29% em Abril de 2022 (-31,3% …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.