Início / Agricultura / Sabe quais as regras de higiene dos cabazes da horta para entrega ao domicílio? DGAV explica

Sabe quais as regras de higiene dos cabazes da horta para entrega ao domicílio? DGAV explica

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A DGAV — Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária emitiu uma norma com as regras de higiene a respeitar na preparação e organização de cabazes para entrega ao domicílio, especialmente os que são compostos por produtos frescos colhidos nos produtores locais.

Atendendo à situação de confinamento domiciliário em que se encontra a maior parte dos portugueses, devido à Covid-19, e a necessidade de se minimizarem os contactos inter-pessoais, as entregas domiciliárias de produtos frescos obtidos localmente contribui decisivamente para esse fim, reduzindo o risco de propagação do novo coronavírus.

Assim,diz a DGAV, para a preparação e organização dos cabazes a entregar, especialmente os que são compostos por produtos frescos colhidos nos produtores locais, importa respeitar algumas regras de higiene, tendo como objectivo reduzir ao máximo a possibilidade de transmissão do vírus.

Segundo a norma daquela Direcção, a proveniência dos produtos deve ser garantidamente segura, obtidos a partir de produtores que respeitem as regras de boas práticas agrícolas (intervalos de segurança de pesticidas, higiene nas operações de colheita).

Por outro lado, a DGAV alerta que os trabalhadores que procedem à colheita dos produtos devem “cumprir as mais rigorosas regras de higiene profissional (vestuário e calçado próprio para o trabalho, lavagem frequente das mãos ou uso de luvas descartáveis, máscaras de protecção; não tossir, espirrar sem protecção e muito menos para cima dos produtos)”.

E acrescenta que os vegetais frescos acabados de colher devem ser enxaguados e secos antes de embalados; as raízes com terra aderente devem ser cortadas antes da lavagem

Embalagem

Quanto à caixa de acondicionamento dos vegetais, diz a Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária que deve ser de utilização única (descartável) ou então constituída num material que seja de fácil de lavar e desinfectar, próprio para entrar em contacto com os alimentos (polipropileno).

Após lavagem e secagem, diz a norma da DGAV que o acondicionamento dos produtos nos cabazes ou caixas de transporte, deve ser efectuado de forma disciplinada e com cuidados de higiene. E que o trabalhador que organiza os produtos nos cabazes deve adoptar um comportamento compatível com a manutenção da higiene pessoal e do local de trabalho:

  • a) Antes de iniciar a tarefa, deve lavar sempre as mãos cuidadosamente, deixando o sabão actuar durante alguns segundos antes de enxaguar;
  • b) Deve voltar a lavar e desinfectar as mãos sempre que inicia a organização de uma nova remessa;
  • c) O vestuário e calçado devem ser próprios para a função (jaleca, máscara cirúrgica, luvas laváveis e desinfectáveis, cabelos protegidos com touca ou boné próprio);
  • d) Sempre que tiver vontade de tossir ou espirrar, utilize um lenço descartável (de papel) ou quando não for possível faça-o na direcção do cotovelo, flectindo-o (medidas de etiqueta respiratória);
  • e) Não fumar, nem esfregar os olhos ou nariz durante as operações de acondicionamento dos produtos.

Caixas ou cabazes reutilizáveis

Já as caixas ou cabazes reutilizáveis devem ser sempre muito bem lavados entre utilizações, usando água quente sob pressão, detergente e desinfectante.

Quanto ao transporte para o domicílio dos clientes deve ser feito em transporte de caixa fechada, ou tapando os produtos com uma lona ou um oleado que devem ser sempre lavados e desinfectados no final de cada viagem.

O acto de entrega deve ser realizado evitando o contacto directo com o cliente, de preferência usando pagamentos antecipados por via electrónica e os documentos de acompanhamento também facultados por via digital.

No final de cada ciclo de trabalho devem lavar e desinfectar as bancadas, os lavatórios, as superfícies de corte de alimentos. Use um detergente e deixe actuar algum tempo. Idealmente dever-se-ão usar materiais descartáveis.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Comercialização de banana da Madeira cresce 23,2% nos primeiros 4 meses de 2020

Partilhar            A Região Autónoma da Madeira comercializadas 5.146,4 toneladas de banana no primeiro quadrimestre de 2020, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.