Início / Agricultura / REN planta 1.350 laranjeiras da variedade autóctone de Ermelo

REN planta 1.350 laranjeiras da variedade autóctone de Ermelo

A REN – Redes Energéticas Nacionais e a União de Freguesias de São Jorge e Ermelo, em Arcos de Valdevez, plantaram hoje, 21 de Maio, mais de 1.350 laranjeiras de Ermelo no corredor das Linhas de Transporte de Energia, numa área de cerca de três hectares dos Baldios de São Jorge.

A plantação desta variedade autóctone de laranjeiras, única no País, enquadra-se no “compromisso da REN para com a defesa da floresta contra incêndios e pretende preservar e valorizar esta fruta tradicional da região, com uma história que remonta ao século XIII, e que chegou a este território pelas mãos dos Monges Beneditinos”, avança uma nota de imprensa da empresa.

O arranque desta parceria decorreu nos Baldios de São Jorge, e contou com a presença de 100 crianças do 4º ano de escolaridade, do Agrupamento de Escolas de Valdevez, que plantaram simbolicamente algumas laranjeiras. Esta iniciativa contou ainda com uma degustação de dois pratos elaborados com laranjas de Ermelo, pelo chef Álvaro Costa.

Para a REN, a plantação nos terrenos atravessados pelas Linhas de Transporte de Energia, de “espécies autóctones compatíveis com as respectivas faixas de gestão de combustível e geradoras de rendimento anual são fundamentais para valorizar estes territórios e garantir a continuidade de uma produção que se estava a perder”.

“A iniciativa irá gerar valor para os proprietários dos terrenos e para a comunidade local, através da comercialização do fruto, a ser produzido em modo biológico, permitindo aos produtores a entrada num mercado mais exclusivo e financeiramente atractivo”, garante a mesma nota.

Retomar a valorização da variedade

A Laranja de Ermelo já foi distinguida como produto “Slow Food” e tem características únicas graças ao microclima do local onde se desenvolve, proporcionando um fruto mais doce e sumarento. Durante décadas as laranjeiras foram muito importantes para o desenvolvimento da comunidade local, mas com o envelhecimento da população e das próprias árvores, a produção veio a sofrer quebras.

Agora pretende-se retomar a valorização desta laranja, o que para o presidente de Junta da União de Freguesias de São Jorge e Ermelo, Horácio Cerqueira, “é tarefa prioritária para que a laranjeira não desapareça e se possa voltar a comercializar de forma mais abrangente e com uma escala maior este produto único”.

“Assim que estes três hectares estiverem plantados teremos margem para pensar em ir mais além do percurso que já foi feito até aqui. Queremos que a laranja seja ainda mais conhecida e valorizada e que essa valorização possa trazer retorno financeiro para a comunidade. Acreditamos ainda que este projecto servirá de incentivo à criação de novos negócios a partir deste produto, o que poderá ainda alavancar a fixação de população neste território tornando-o mais atractivo e competitivo”, afirma Horácio Cerqueira que defende ainda que “são este tipo de projectos que dão vida às comunidades, que preservam o passado e projectam um novo futuro”.

Laranja de Ermelo

A laranja produzida na freguesia de Ermelo é de casca lisa e fina, de média dimensão, muito doce, sem fibras e com poucas sementes. O desenvolvimento da cultura da laranja em Ermelo atribui-se à sabedoria dos monges de Cister, ordem que geriu o Mosteiro de Ermelo a partir do século XIII. A maior concentração de laranjeiras encontra-se ainda na área atribuída ao “Couto Conventual” de então, explica a autarquia de Arcos de Valdevez.

A laranja produzida na freguesia de Ermelo é de casca lisa e fina, de média dimensão, muito doce, sem fibras e com poucas sementes. As laranjeiras de Ermelo atingem um grande porte e encontram-se espalhadas pela aldeia em leiras socalcadas conferindo uma paisagem agradável e única a esta freguesia banhada pela Barragem de Touvedo.

As condições ambientais da encosta virada a Sul contribuem para a sua qualidade específica, podendo dizer-se que se trata de uma condição micro-climática favorável à produção de citrinos. Admite-se também que possam constituir uma variedade tradicional, autóctone, mas será necessário fazer os necessários estudos de ADN para confirmar esta hipótese.

As laranjeiras de Ermelo não têm tratamentos fitossanitários, à excepção de uma pulverização com calda bordalesa, e o único “adubo” utilizado é o estrume de vaca. Aplicado geralmente entre Dezembro e Fevereiro, manualmente, com auxílio de forquilhas, em redor do tronco da laranjeira, no terreno coberto pela sua copa. Cada laranjeira recebe cerca de 15 kg de estrume. A rega é a principal operação realizada, por alagamento com água do regadio tradicional, entre 20 de Junho e 8 de Setembro (rega 4 vezes/ano/árvore).

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Carmona Rodrigues lidera Grupo de Trabalho para estratégia de gestão, armazenamento e distribuição eficiente da água

Partilhar              O Governo decidiu criar um Grupo de Trabalho para delinear a estratégia multissectorial, “Água que Une”, …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.