Início / Agricultura / Regantes reúnem com Capoulas e alertam para situação de seca

Regantes reúnem com Capoulas e alertam para situação de seca

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Fenareg — Federação Nacional de Regantes de Portugal reuniu a 28 de Fevereiro com o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, sobre as perspectivas da campanha de rega de 2019 e respectivos planos de contingência, essenciais para minimizar os efeitos causados pela falta de chuva.

A dois meses do início da campanha rega, parte do território nacional encontra-se em situação de seca e todas as bacias hidrográficas apresentam armazenamento de água abaixo da média, sendo a situação mais crítica a do Sado, realça um comunicado da Federação.

O presidente da Fenareg, José Núncio, defende que “no contexto de adaptação às alterações climáticas é prioritário aumentar a capacidade de regularização e de reserva das nossas bacias hidrográficas, estudando sistemas de fins múltiplos, nas suas várias valências, passando pelo alargamento do benefício da rega e não esquecendo a reabilitação das antigas estruturas existentes”.

Situação cautelosa e que exige planeamento

“Nas bacias internacionais, Espanha comunicou que as disponibilidades também são baixas e podem não cumprir os caudais mínimos, caso seja necessário accionar o regime de excepção. O cenário actual é comparável com o de 2016, uma situação cautelosa e que exige planeamento”, acrescenta o mesmo comunicado.

Nos regadios colectivos, o armazenamento de água regista níveis que asseguram a campanha de rega, excepto nos Aproveitamentos Hidroagrícolas de Campilhas e Alto Sado e de Alfandega da Fé. Nos regadios privados a situação é mais preocupante, uma vez que estes não têm capacidade de armazenamento de água inter-anual. A Fenareg sublinhou a necessidade de acompanhamento desta situação.

A Federação alertou para a urgência de o Governo adoptar medidas já na actual campanha de rega, das quais depende a competitividade da agricultura de regadio em Portugal:

  • Implementar um regime de caudal mínimo diário nas bacias hidrográficas, que garanta os usos de água para a agricultura e outros. A situação mais preocupante é a do rio Tejo, onde ocorrem frequentemente situações de caudal nulo e uma subida da cunha salina, com efeitos adversos na agricultura e no ambiente.
  • Aliviar o esforço financeiro exigido aos perímetros hidroagrícolas abastecidos por Alqueva. Pelo 3.º ano consecutivo, as albufeiras confinantes terão necessidade de recorrer à água de Alqueva para minimizar a seca hidrológica. A Fenareg defende a criação de medidas que reduzam os custos de aquisição de água à EDIA por estes perímetros.
  • Reduzir os custos da energia eléctrica associada ao regadio. Através da implementação de tarifários ajustados à sazonalidade da agricultura e da redução de taxas e impostos nos contratos de electricidade.
  • Criar incentivos financeiros à gestão eficiente do uso da água e da energia (comparticipando a aquisição de Sistemas de Informação Geográfica (SIG), cursos de formação, apoios para a implementação de energias alternativas, entre outros).

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Verdes recomendam ao Governo “total interdição de pesca” de tubarões e raias

Partilhar              O Grupo Parlamentar de Os Verdes recomenda ao Governo que “crie uma equipa para elaborar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.