Início / Lazer / Red Bull Cliff Diving World de volta aos Açores a 18 de Julho

Red Bull Cliff Diving World de volta aos Açores a 18 de Julho

O arquipélago dos Açores, situado no meio do oceano Atlântico, recebe no próximo dia 18 de Julho de 2015 o Red Bull Cliff Diving World Series pela quarta vez. A quinta de oito etapas para a competição masculina, será igualmente a segunda das três etapas do sector feminino do circuito mundial.

Os fenomenais monólitos das ilhas portuguesas dos Açores são uma vez mais o cenário escolhido. O arquipélago vulcânico situado no meio do oceano Atlântico é palco destes saltos de cortar a respiração, pela quarta vez consecutiva. No entanto, será a primeira vez que a competição feminina irá ter lugar no ilhéu circular de Vila Franca do Campo, em frente à ilha de São Miguel.

O regresso às origens é o lema adoptado na entrada para a segunda metade da época. Cliff Diving puro, em que os saltadores partem directamente do penhasco – um impressionante monólito de rochas vulcânicas, com as paredes exteriores da cratera a criarem um círculo praticamente perfeito é o local ideal para a prática deste desporto, em que os atletas abrem os seus braços num salto directamente dos penhascos, tal como os pioneiros desta modalidade fizeram no Havai há sensivelmente 250 anos atrás. Apenas para os saltos com maior dificuldade, os atletas poderão optar pela utilização da plataforma construída sobre o oceano.

Situado no meio do Oceano Atlântico – 1.369 km a oeste do continente Europeu – o arquipélago dos Açores é composto por um conjunto de nove ilhas, espalhadas por três grupos. Este território simboliza o início da grande aventura de descobrimentos que teve início no século XV e levou os portugueses a uma presença nos quatro cantos do globo.

O ilhéu de Vila Franca do Campo – baptizado com este nome tendo em conta a vila situada exactamente à sua frente, na costa da ilha de São Miguel – está localizado a cerca de um quilómetro de distância da costa e formou-se devido ao colapso de um vulcão antigo. Após ter sido usado para vários fins ao longo dos últimos séculos – desde uma fortaleza militar, até uma vinha – este ilhéu foi classificado como reserva natural em 1983. As paredes da cratera são o habitat de alguma vegetação endémica. No interior, as águas cristalinas de uma piscina natural têm uma beleza adicional e combinam com a sua fabulosa zona balnear.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Porto de Lisboa recebe GreenPort Congress & Cruise em Outubro

Partilhar              O Porto de Lisboa, no âmbito da celebração do 135º aniversário, vai receber o GreenPort …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.