Início / Agricultura / Recenseamento Agrícola do INE: superfície agrícola utilizada cresce 8,1% desde 2009

Recenseamento Agrícola do INE: superfície agrícola utilizada cresce 8,1% desde 2009

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Superfície Agrícola Utilizada registou um crescimento de 8,1%, entre 2009 e 2019, alterando significativamente a sua composição. Verificou-se um decréscimo de 11,6% nas terras aráveis, mais que compensado pelos expressivos aumentos das áreas das culturas permanentes (+24,6%) e das pastagens permanentes (+14,9%). Esta é uma das conclusões do “Recenseamento Agrícola – Análise dos principais resultados – 2019” do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo a publicação o INE, no Recenseamento Agrícola 2019 foram recenseadas 290 mil explorações agrícolas, menos 15 mil que em 2009, o que corresponde a uma redução de 4,9%. Mas a dimensão média das explorações aumentou 13,7%, passando de 12,0 hectares em 2009 para 13,7 hectares de SAU por exploração.

Por outro lado, intensificou-se a empresarialização da agricultura, com as sociedades a gerirem 1/3 da Superfície Agrícola Utilizada (27,0% em 2009) e mais de metade das Cabeças Normais (41,1% em 2009). E quanto à dimensão económica, cada exploração gerou em média 23,3 mil euros de Valor de Produção Padrão, mais 8,1 mil euros do que em 2009.

Superfície total das explorações aumentou mais de 400 mil hectares

O documento do INE adianta ainda que a superfície total das explorações aumentou mais de 400 mil hectares, ocupando 55,5% da superfície territorial e que os prados temporários e culturas forrageiras aumentaram 12,0%, passando a ocupar praticamente 2/3 da superfície de terras aráveis.

No entanto, verificou-se a redução das áreas de cereais para grão (-32,2%) e da batata (-28,6%).

Já nas culturas permanentes, foi registada a expansão e modernização dos olivais e pomares, em particular de frutos pequenos de baga, subtropicais e amendoais, que ocupam a maior área dos últimos 30 anos.

Quanto à fruticultura, realça o documento do INE a importância crescente da produção de frutos frescos no interior Norte e Centro e da produção de frutos subtropicais no Algarve (abacate) e litoral Norte (kiwi), com um crescimento exponencial do amendoal no Alentejo e Beira Interior e dos frutos pequenos de baga.

E nas pastagens permanentes, a superfície aumentou 14,9%, passando a ocupar mais de metade da Superfície Agrícola Utilizada.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

UE aprova regime português de 150 M€ para apoiar empresas dos Açores afectadas pela pandemia

Partilhar            A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo das regras da União Europeia em matéria de auxílios …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.