Início / Agricultura / Quinta das Amoras. PSD garante que procura respostas do Governo desde 2018 sobre critérios nas candidaturas a apoios comunitários à agricultura

Quinta das Amoras. PSD garante que procura respostas do Governo desde 2018 sobre critérios nas candidaturas a apoios comunitários à agricultura

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Partido Social Democrata (PSD) lamenta a greve de fome de agricultor do agricultor Luís Dias e garante que desde 2018, “procura respostas do Governo e dos organismos do Estado que gerem projectos de investimento apoiados por fundos comunitários, relativas aos critérios elegíveis para candidaturas de apoio, nomeadamente sobre as destruições de infra-estruturas e de potencial produtivo causadas por fenómenos climáticos adversos”.

E comunicado de imprensa, o PSD refere que, “atento a todas as questões agrícolas e do mundo rural, abordou por diversas ocasiões o Ministério da Agricultura, através de perguntas regimentais e em audições parlamentares, o processo relativo ao investimento na Quinta das Amoras cujo desfecho motivou a greve de fome do promotor Luís Dias iniciada há cerca de 25 dias”.

O partido liderado por Rui Rio condena que “a crescente burocracia dos procedimentos exigidos nas candidaturas ao investimento agrícola, aliada à incapacidade de resposta célere pela administração tenha inviabilizado e constitua um forte entrave ao desenvolvimento agrícola de projectos modernos e competitivos”.

Sobre o caso da Quintas das Amoras, o PSD lamenta “a incapacidade do Governo na resolução dos tramites que originou a indesejável greve de fome do promotor com consequências graves e prejudiciais em termos humanitários”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Petição contra a alteração da idade para assistir ou participar em touradas está a chegar aos 18 mil subscritores

Partilhar              O Conselho de Ministros aprovou no dia 14 de Outubro o decreto-lei que altera a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.