Início / Agricultura / Proprietários Rurais respondem ao PAN com cartaz em Lisboa para realçar importância da caça na conservação da biodiversidade

Proprietários Rurais respondem ao PAN com cartaz em Lisboa para realçar importância da caça na conservação da biodiversidade

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Associação Nacional dos Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade (ANPC) irá colocar amanhã, dia 4 de Maio, pelas 15 horas, um cartaz no centro da cidade de Lisboa alusivo ao importante papel que as zonas de caça têm na promoção da biodiversidade, na preservação de habitats e na reintrodução e salvaguarda de espécies ameaçadas. Uma resposta ao cartaz do PAN – Pessoas – Animais – Natureza com a frase “Eles matam tudo e não deixam nada”.

António Paula Soares: “a caça desempenha um papel crucial na conservação da natureza, por muito que custe reconhecer a determinados grupos e partidos extremistas que constroem verdadeiras fábulas sobre ecologia e conservação da natureza, ajustadas às suas ideologias fundamentalistas, deliberadamente montadas para tentarem impingir e fazer vingar o seu radicalismo e intolerância na sociedade”

Explica a direcção da Associação que esta iniciativa surge numa altura em que a época reprodutiva do lince-ibérico atinge o seu auge e se sucedem as notícias de novos nascimentos em várias zonas de caça do Baixo Alentejo, em especial nos concelhos de Mértola e Alcoutim, demonstrando inequivocamente o caminho de recuperação daquele que chegou a ser o felino mais ameaçado do Planeta.

“Nas últimas semanas vários são os nossos associados, concessionários de zonas de caça, que nos reportam a detecção de nascimentos, quer pelo avistamento de adultos com crias, quer pela captação de imagens nas câmaras de foto-armadilhagem colocadas para monitorização das espécies” refere António Paula Soares, presidente da ANPC.

E António Paula Soares acusa que “o País tem vindo a assistir, por parte de um pequeno partido político, a campanhas tóxicas de desinformação, assentes em mentiras e falsidades, que visam incitar ao ódio e ao desprezo pela caça. Acontece que a caça, que é uma actividade ancestral e tradicional, que potencia o desenvolvimento socioeconómico e a vigilância de territórios com baixa densidade populacional, subordina-se a princípios de sustentabilidade e racionalidade e tem manifestas preocupações ambientais e de respeito para com a natureza e o meio-ambiente”.

Promoção e preservação da biodiversidade

A imagem do cartaz lançado pela ANPC, na qual se podem ver três linces ibéricos que nasceram na natureza e a sua progenitora, tem por objectivo afirmar, através de uma “linha de comunicação positiva e pedagógica”, o papel determinante que proprietários rurais, gestores cinegéticos e caçadores têm vindo a desempenhar na promoção e preservação da biodiversidade e dos habitats em Portugal.

“Esta é uma verdade irrefutável, este é o Mundo real”, salienta António Paula Soares, reforçando que “a caça desempenha um papel crucial na conservação da natureza, por muito que custe reconhecer a determinados grupos e partidos extremistas que constroem verdadeiras fábulas sobre ecologia e conservação da natureza, ajustadas às suas ideologias fundamentalistas, deliberadamente montadas para tentarem impingir e fazer vingar o seu radicalismo e intolerância na sociedade”.

Mas a importância da caça revela-se a vários níveis, garante a Associação. Graças à gestão cuidada que fazem das zonas de caça sob sua responsabilidade – e de forma colaborativa com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e diversas Organizações Não-Governamentais – tem “sido possível recuperar, com sucesso, várias espécies ameaçadas”: o ICNF, recentemente, confirmou a tendência de crescimento da população de abutres pretos no Parque Natural do Tejo Internacional, um aumento de 33% de casais de reprodutores de águia imperial ibérica no Alentejo, principalmente no Parque Natural do Vale do Guadiana e na ZPE de Castro Verde, e o fantástico censo de 2019 do Lince Ibérico que coloca o Vale do Guadiana com a maior taxa de produtividade em termos de ninhadas da Península Ibérica.

Sensibilizar a sociedade

De acordo com António Paula Soares “este cartaz destina-se a sensibilizar a sociedade para o papel que os proprietários rurais e caçadores têm tido na promoção e preservação da biodiversidade e dos habitats, através do desenvolvimento de medidas concretas de gestão cinegética e do território”.

Para a direcção da Associação Nacional dos Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade, “a caça não é sinónimo de matança, e muito menos de morte indiscriminada de animais. A caça é uma actividade humana, ancestral, tão antiga como o Homem, que visa colher, de forma racional e sustentável, os recursos animais que a natureza proporciona”.

Por outro lado, salienta que “a caça é ainda uma actividade legal e, tal como é praticada hoje em Portugal, obedece a regras rigorosas, está subordinada a práticas sustentáveis e contribui, como este cartaz tão bem evidencia, para a recuperação de espécies ameaçadas, como é o caso do lince-ibérico”.

A recuperação do lince-ibérico segue no terreno, tendo por epicentro o concelho de Mértola, também reconhecido por ser a Capital Nacional da Caça, e “é graças ao trabalho diário de gestão e conservação do território, feito 365 dias no terreno por proprietários e gestores, que foi possível voltar a ter condições para que o maior felino da Península Ibérica voltasse a percorrer os campos em Portugal”, frisa a Associação.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Proença-a-Nova realiza acções de sensibilização sobre a floresta no concelho

Partilhar            A floresta que queremos é o mote para as acções de sensibilização que o Município …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.