Início / Agricultura / Projecto da Universidade de Coimbra tem 6 M€ para aumentar resiliência da apicultura

Projecto da Universidade de Coimbra tem 6 M€ para aumentar resiliência da apicultura

Paulo Sousa

A Universidade de Coimbra (UC) integra um projecto internacional que pretende aumentar a resiliência da apicultura a factores de stress abióticos, como mudanças climáticas, perda de habitat e compostos químicos, nomeadamente pesticidas.

José Paulo Sousa, investigador do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC (FCTUC), é o coordenador do projecto “Better-B” na UC, agora contemplado com cerca de 6 milhões de euros, informa a Universidade de Coimbra em nota de imprensa.

“As colónias de abelhas melíferas estão muitas vezes mal adaptadas para lidar com estes factores de stress, em grande parte devido às práticas modernas de apicultura”, afirma o investigador, revelando que “a chave para uma apicultura resiliente é aproveitar o “poder da natureza” para restaurar a harmonia e o equilíbrio dentro das colónias e entre as colónias e o meio ambiente, ambos perturbados pelas actividades humanas”.

De acordo com o José Paulo Sousa, a solução passa por “compreender os processos e mecanismos que se aplicam na natureza e adaptar as práticas apícolas modernas e a tomada de decisões em conformidade, e quando adequado, utilizando os benefícios das tecnologias avançadas”. Assim, nos próximos quatro anos, os investigadores irão abordar diferentes tipos de factores de stress através de monitorização, experimentação e modelação ecológica.

No âmbito do projecto “Better-B”, será realizada uma “avaliação da qualidade dos recursos florais em diferentes habitats e ainda as interacções entre planta-polinizador, de forma a compreender melhor os fenómenos de competição entre as abelhas melíferas e espécies de polinizadores selvagens em situações de abundância e escassez de recursos, recorrendo a monitorização e experimentação”, explica o também docente da FCTUC.

Segundo o consórcio, os dados recolhidos servirão para alimentar modelos para avaliar a “capacidade de carga” de diferentes tipos de habitats e, ainda, para desenvolver ferramentas de tomada de decisão sobre como melhorar a estrutura do habitat em termos de recursos alimentares e balancear a actividade apícola e conservação/aumento da biodiversidade de polinizadores.

A equipa do “Better-B” irá também avaliar o impacto da “complexidade da paisagem e da contaminação por pesticidas no desempenho das colónias”, utilizando métodos de avaliação desenvolvidos e testados no âmbito do projecto “B-Good”, do qual a FCTUC faz parte e que tem como objectivo geral fornecer orientação aos apicultores e ajudá-los a tomar decisões melhores e mais informadas.

“Serão avaliados os efeitos de determinados factores abióticos na sensibilidade a pesticidas, realizando ensaios ecotoxicológicos com abelhas melíferas para avaliação de efeitos letais e sub-letais. A UC é a única instituição de ensino superior em Portugal a realizar este tipo de ensaios”, ressalva o docente da FCTUC.

Vespa asiática

Neste projecto será igualmente avaliado o impacto da Vespa velutina nigrithorax, também conhecida como vespa asiática, nas colónias de abelhas. “Aqui, utilizaremos métodos de monitorização e será uma extensão de dois projectos da UC em parceria com as comunidades intermunicipais das regiões de Coimbra e Viseu-Dão-Lafões”, conclui José Paulo Sousa.

O “Better-B” é um projecto financiado pela Horizonte Europa e junta 17 instituições de países como Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Itália, Noruega, Países Baixos, Polónia, Portugal, Reino Unido, Roménia e Suécia.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

40% dos produtos alimentares com rotulagem nutricional simplificada utiliza o Nutri-Score

Partilhar              A maioria dos produtos alimentares que já apresentam um sistema de rotulagem nutricional simplificada utiliza …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.