Início / Agricultura / Projecto AIRS combina IA e detecção remota para monitorizar fitossanidade da vinha

Projecto AIRS combina IA e detecção remota para monitorizar fitossanidade da vinha

O projecto AIRS (Agriculture Innovation using Remote Sensing) foi aprovado pelo programa Promove “la caixa” em Outubro de 2022 e tem como objectivo de ajudar a controlar a fitossanidade da vinha utilizando soluções digitais. Uma parceria com a empresa TeroMovigo, a Universidade da Beira Interior (UBI) e o Laboratório Colaborativo Food4sustainability (F4S CoLAB).

As alterações climáticas levam, cada vez mais, a uma maior incidência de eventos extremos, o que em Portugal resultou em mais tempestades no Inverno, Verões mais quentes e períodos de seca mais longos. Uma forma de mitigar as alterações climáticas é a transição para métodos de agricultura mais sustentáveis, com o principal objectivo de um uso consciente dos recursos naturais e sintéticos, de maneira a reduzir o impacto ambiental e optimizar os custos de produção, explicam os parceiros do projecto em nota de imprensa.

“O uso consciente destes recursos pode ser realizado com a adopção de ferramentas da Agricultura 4.0, como a digitalização, a inteligência artificial e a agricultura de precisão”, acrescentam.

IA e detecção remota

O projecto AIRS pretende combinar as áreas da inteligência artificial e da detecção remota para criar uma solução tecnológica que permita monitorizar a fitossanidade do caso particular da vinha, usando imagens de satélite obtidas pela Agência Espacial Europeia (ESA). Este projecto terá como principal ponto de inovação o uso de imagens de alta resolução espacial (adquiridas por Veículos Aéreos Não Tripulados – VANTs) para aumentar a resolução de imagens provenientes do satélite Sentinel-2, utilizando inteligência artificial.

Assim, ao fornecer informação sobre — quando e onde — as plantas necessitam de água e nutrientes, o AIRS permitirá numa optimização e gestão eficiente de recursos agrícolas na vinha (água e nutrientes), o que, por sua vez, conduzirá a uma maior resistência a variações das condições meteorológicas (mais frequentes devido às alterações climáticas).

Os resultados serão disponibilizados e integrados numa plataforma de serviços digitais para Portugal, proporcionando aos agricultores uma forma eficaz de monitorizar a saúde das suas culturas.

TeroMovigo coordena

A TeroMovigo é a entidade coordenadora do projecto e é responsável pela execução das observações com os drones sobre as vinhas a estudar. Além disso, ajudará a UBI a desenvolver a metodologia da super-resolução e a preparar as imagens de satélite em colaboração com o F4S CoLAB.

O Departamento de Informática da UBI será responsável pelo desenvolvimento do método de super-resolução para imagens de satélite, utilizando imagens de alta resolução obtidas com drones para treinar redes neurais profundas. Além disso, supervisionará o trabalho de identificação das plantas nas novas imagens e avaliará os índices vegetativos calculados para estas imagens. O F4S CoLAB será a principal interface com a comunidade agrícola.

No âmbito deste projecto, o F4S organizará campanhas regulares para fazer medições in-situ que serão utilizadas para validar os índices vegetativos calculados a partir das imagens de satélite. Além disso, o F4S ajudará na divulgação e transferência de conhecimento, através da organização de workshops e dias de campo para divulgar os resultados do projecto à comunidade. A área de estudo do projecto será cedida pela Adega Cooperativa de Pinhel, com a co-participação dos seus associados.

Saiba mais sobre o projecto AIRS (Agriculture Innovation using Remote Sensing) aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Chega recomenda ao Governo reversão da extinção das Direcções Regionais de Agricultura

Partilhar              O Grupo Parlamentar do Chega (CH) recomenda ao governo que “reverta a decisão de extinção …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.