Início / Agricultura / Programa de Sustentabilidade do Azeite do Alentejo debate questões sociais e culturais do sector na região

Programa de Sustentabilidade do Azeite do Alentejo debate questões sociais e culturais do sector na região

O Programa de Sustentabilidade do Azeite do Alentejo (PSAA), projecto liderado pela Olivum — Associação de Olivicultores e Lagares do Sul, em parceria com a Universidade de Évora, arrancou no passado mês de Março, tendo já promovido três debates que trouxeram para a mesa temas pertinentes para o sector oleícola, que nos últimos anos tem reforçado e consolidado o seu papel no panorama regional, nacional e internacional.

Portugal, após a campanha de 2021, passou a 6º maior produtor de azeite no Mundo e 3º maior exportador da União Europeia. O crescimento do sector olivícola, registado nos últimos anos, deve-se essencialmente ao aparecimento de novas áreas de regadio – destacando o exemplo de Alqueva – que possibilitaram a instalação de olivais modernos e eficientes e a consequente instalação de lagares.

O Programa de Sustentabilidade do Azeite do Alentejo nasce da necessidade de solidificar este crescimento, tendo como principal objectivo certificar este produto, demonstrando ser produzido de forma sustentável e reforçando o seu valor.

Certificação 

A certificação está a ser desenvolvida com o conhecimento técnico e prático da Associação de Olivicultores do Sul, entidade promotora, com o capital científico e teórico da Universidade de Évora, entidade parceira, e com o contributo de quem está no terreno, olivicultores e produtores de azeite, assegurando que se trata de uma ferramenta rigorosa tecnicamente, e aplicável a nível prático.

Este conjunto de agentes que vão materializar a certificação foi formalizado enquanto grupo-piloto oficial do projecto no passado mês de Maio, onde foi discutida a abrangência da certificação. No mês de Junho o grupo-piloto reuniu-se para debater temas mais específicos, como: a gestão do solo e conservação da biodiversidade.

No dia 6 de Setembro, o grupo-piloto do Programa de Sustentabilidade do Azeite do Alentejo reencontrou-se, desta vez para discutir outros dos temas específicos que a certificação contemplará: a dimensão social da sustentabilidade e do património cultural.

A sessão arrancou com o discurso de abertura de Gonçalo Almeida Simões, director-executivo da Olivum, seguindo das exposições do Professor Rui Fragoso, da Universidade de Évora, e do Arqueólogo Tiago do Pereiro, da empresa Era – Arqueologia, que tiveram como objectivo despoletar a discussão e a partilha de ideias entre o grupo.

Avaliação do património cultural

Partindo para o debate, o grupo alertou para a importância de cada produtor fazer um levantamento e uma avaliação do património cultural existente na sua exploração, procedendo a uma correcta preservação do mesmo e valorizando-o, partilhando-o e dando-o a conhecer à sociedade.

O grupo demonstrou, no entanto, preocupações quanto à elevada burocracia e morosidade do processo que este levantamento e avaliação implicam. Foi também expressa a vontade de valorizar o azeite enquanto produto histórico, característico da cultura portuguesa e da dieta mediterrânica, através de museus, centros interpretativos ou roteiros.

Relativamente a questões sociais, olivicultores e produtores de azeite deram o seu testemunho quanto ao que já fazem para promover uma maior proximidade e envolvimento com os seus trabalhadores e com a comunidade, como: a formação e as condições oferecidas aos seus colaboradores, a contratação de mão de obra e fornecedores locais, o recrutamento de jovens estagiários que frequentaram universidades da região, a abertura da sua propriedade para a prática de actividades recreativas, como a caça ou a pesca, o envolvimento com a academia em estudos e ensaios de campo, o apoio monetário a associações e estruturas de apoio social ou a abertura do seu olival ou lagar para visitas de estudo de alunos do ensino pré-escolar, básico ou secundário.

No entanto, o grupo demonstrou preocupações quanto à dificuldade que existe actualmente na aquisição e retenção de trabalhadores apesar das condições oferecidas. Foi ainda sublinhada a importância de uma relação transparente com a comunidade, freguesias, municípios e vizinhos, abrindo sempre que possível as portas dos olivais e lagares para dar a conhecer à população o que ali é feito.

O Programa de Sustentabilidade do Azeite do Alentejo irá continuar a trabalhar na certificação e no reconhecimento do valor deste produto e da região do Alentejo. Acompanhe o projecto aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Crédito Agrícola aposta na descentralização e proximidade com concelho da Póvoa de Varzim

Partilhar              A Caixa de Crédito Agrícola reabriu a sua agência de Balasar, concelho de Póvoa de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.