Início / Agricultura / Presidente da Confagri: “APA não pode ser um obstáculo ao investimento e à modernização das actividades agrícolas”

Presidente da Confagri: “APA não pode ser um obstáculo ao investimento e à modernização das actividades agrícolas”

O presidente da Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas, Idalino Leão, defende um “plano de gestão eficiente da água”, um maior investimento em barragens e charcas e a recuperação dos regadios tradicionais. Mas, em entrevista à Revista Agricultura e Mar, realça que a “APA não pode ser um obstáculo ao investimento e à modernização das actividades agrícolas”.

É importante “haver um plano de gestão eficiente da água. Há a necessidade da acautelar a existência da água em todo o território nacional. Por isso, defendemos que deve ser fomentado o investimento na construção de barragens nalgumas zonas, assim como deve ser aligeirada a burocracia no licenciamento de charcas, além de se dever também fomentar a recuperação de regadios  tradicionais, porque a nossa agricultura, o nosso País, é muito diverso”.

Quanto aos apoios do PDR 2020 para a construção de charcas, Idalino Leão queixa-se dos entraves da APA — Agência Portuguesa do Ambiente. “Conseguir o apoio? Havia sempre um problema qualquer. Mas isso foi causado pelo desmantelamento do Ministério da Agricultura. Tínhamos abertos os Avisos para o apoio à construção de charcas, mas depois existiam sempre discordâncias entre Ministérios”.  “A APA quando quer ligar o ‘complicómetro’ liga, infelizmente”.

“Agora, saudamos, para já, os sinais que estão a ser tornados públicos, de uma maior ligação e de uma maior proximidade entre o Ministério da Agricultura e o do Ambiente. Isso é bom, porque os agricultores são os primeiros interessados e os mais preocupados com as questões climáticas. Somos desde logo os primeiros ambientalistas. E a APA não pode ser aqui um obstáculo ao investimento e à modernização das actividades agrícolas”, realça o presidente da Confagri.

Refira-se que as charcas ou pequenas barragens de aterro são massas de água parada ou de corrente muito reduzida, de carácter permanente ou temporário, de tamanho superior a uma poça e inferior a um lago. São reservas de água doce e podem servir para abeberamento de animais selvagens e para o abastecimento de bebedouros para a pecuária.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Carmona Rodrigues lidera Grupo de Trabalho para estratégia de gestão, armazenamento e distribuição eficiente da água

Partilhar              O Governo decidiu criar um Grupo de Trabalho para delinear a estratégia multissectorial, “Água que Une”, …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.