Início / Featured / Porto de Leixões exporta 2,7 milhões de toneladas de mercadoria e bate recorde

Porto de Leixões exporta 2,7 milhões de toneladas de mercadoria e bate recorde

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Porto de Leixões bateu um recorde nunca antes alcançado nas exportações ao movimentar 2,7 milhões de toneladas de mercadoria para o exterior, no primeiro semestre de 2020, o que representa um crescimento de 4,2% face ao período homólogo. Produtos refinados, ferro e aço, papel e cartão, e pedra foram os tipos de carga mais exportada.

Em contentores, foi movimentada mais de 3,5 milhões toneladas de mercadoria, o que representa um crescimento acumulado de 3,4% em comparação com o período homólogo do ano anterior.

“Ficámos muito satisfeitos por percebermos que, apesar da conjuntura actual, inevitavelmente marcada pela paralisação gerada pela Covid-19 e pelo consequente abrandamento da indústria e comércio mundial, a economia regional continuou a servir-se da nossa infraestrutura portuária para manter o dinamismo possível”, afirma a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

Mas carga total cai

O primeiro semestre deste ano, marcado pela pandemia da Covid-19, foi, apesar destes ganhos, marcado pelo decréscimo de mais de 5,6% na movimentação total de carga no Porto de Leixões, traduzindo-se em cerca de 9 milhões de toneladas de mercadoria movimentada, durante este período, na infraestrutura portuária.

A principal quebra verificou-se nos graneis líquidos com menos 15,8% devido à paragem parcial da refinaria da Galp. A carga roll-on/roll-off, que embarca e desembarca sobre de rodas, reduziu 7%, os granéis sólidos reduziram-se 1,3% e a carga fraccionada registou um decréscimo de 4,4%.

Recorde-se que o conjunto dos portos portugueses registaram uma quebra de 9,3% na movimentação de carga até maio, em comparação com o período homólogo do ano anterior, de acordo com os dados divulgados pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

COTHN: diminuir competências da DGAV é “má estratégia com consequências muito graves para a competitividade do sector agrícola”

Partilhar            A direcção do COTHN — Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional diz que “diminuir, ou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.