Início / Agricultura / Pedido de registo da Corrida de Toiros no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial de Portugal está submetido

Pedido de registo da Corrida de Toiros no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial de Portugal está submetido

O pedido de registo da Corrida de Toiros no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial de Portugal foi submetido ontem, 15 de Julho. Trata-se de uma “candidatura forte e bem sustentada cientificamente”, fruto do trabalho desenvolvido por uma equipa multidisciplinar de investigadores do ISCTE . O processo de candidatura foi liderado pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) através do centro de Investigações e Estudos e Sociologia (CIES-IUL).

Uma “aventura” que começou com o projecto Tauromaquia Património Cultural de Portugal, que contou com o apoio do Orçamento Participativo de Portugal 2017, ao qual à qual compete apoiar os municípios no levantamento das manifestações tauromáquicas presentes nos seus territórios; promover o levantamento da componente nacional da cultura tauromáquica, isto é, dos elementos que se reduzem aos territórios municipais, mas antes, que apresentem dimensão nacional; e elaborar conteúdos e reunir a documentação necessária às propostas de registo das práticas taurinas em território nacional para o Inventário Nacional do Património Imaterial (INPCI).

A constituição do Projecto, numa fase inicial, centrou-se num trabalho de recolha de informação e investigação relativa à prática tauromáquica em território nacional. Um exemplo foi o Congresso Internacional “Homens e Toiros, cultura e desenvolvimento”, que ocorreu na vila da Chamusca, entre os dias 11 e 13 de Julho de 2019. Este contou com a participação de oradores portugueses, espanhóis e franceses com investigações nas áreas da Medicina Veterinária, Psicologia, Antropologia, Sociologia, Economia , entre outras.

Património Cultural de Portugal

Uma outra iniciativa, diz respeito ao lançamento do livro “Património Cultural de Portugal”, que surge com o propósito de promover e dar a conhecer os conceitos básicos tauromáquicos, enaltecendo assim o conhecimento global partilhado na sociedade sobre a cultura tauromáquica portuguesa.

A complementar o livro em suporte físico, foi criada uma plataforma online, a qual serve como repositório de toda a informação conhecida, ao longo da história em Portugal. “Um recurso educativo, pedagógico, didáctico e representativo, de forma a promover e divulgar esta prática junto dos mais variados públicos”, dizem os promotores da iniciativa.

“Devido ao facto da tauromaquia constituir uma prática “amada por uns, odiada por outros”, este processo apresenta-se demorado e vagaroso, morosidade essa atribuída aos movimentos exercidos pelos anti-taurinos que se manifestam fortemente contra a apresentação e implementação desta candidatura”, realça Ana Melo Cano, da televisão regional Canal Alentejo, uma das promotoras da iniciativa.

E acrescenta que “caso o pedido seja aceite a tauromaquia será oficialmente reconhecida como parte integrante da cultura portuguesa, ficando desta forma, a salvo de qualquer ataque que possa surgir proveniente de indivíduos ou movimentos anti-taurinos”.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

PS Açores acusa Governo Regional de falhas na gestão das quotas pesqueiras

Partilhar              O Partidos Socialista (PS) dos Açores entregou um requerimento ao Governo Regional dos Açores, intitulado …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.