Início / Featured / PCP quer regulação de preços de primeira venda em lota em defesa dos rendimentos dos pescadores

PCP quer regulação de preços de primeira venda em lota em defesa dos rendimentos dos pescadores

O Grupo Parlamentar do Partido Comunista Português (PCP) considera que “importa, no imediato tomar medidas urgentes que protejam os pescadores e as empresas do sector, nomeadamente: impor a regulação de preços de primeira venda em lota; estabelecer preços mínimos para as várias espécies; instituir margens máximas de lucro em todos os níveis de comercialização dos produtos da pesca”.

E ainda “assegurar e promover canais regulares de distribuição, designadamente a partir do apoio às organizações de produtores, para garantir que todo o território nacional é abastecido de pescado a preços mais justos” e “apoiar e desenvolver estratégias de promoção do consumo de pescado, bem como da valorização do mesmo na primeira venda em lota, garantindo também preços mais justos e comportáveis ao consumidor final”.

Por outro lado, os comunistas dizem que se deve “assegurar o cumprimento de medidas já aprovadas na Assembleia da República, designadamente o abastecimento da rede de cantinas e refeitórios públicos com pescado nacional com preços previamente definidos junto da produção, fomentando cada vez mais o consumo de produtos locais ou de proximidade”.

Assim, o Grupo Parlamentar do PCP recomenda ao Governo a aplicação de todas estas propostas, em “defesa da pesca nacional e dos rendimentos dos pescadores e produtores”.

Segundo o Projecto de Resolução 148/XVI/1, entregue na Assembleia da República, “urge inverter o rumo de desastre imposto aos pescadores e à pesca nacional”. “Os dados reportados a 2023 relativos ao sector da pesca mostram uma realidade profundamente lesiva dos interesses nacionais que acentua a perda de rendimentos dos pescadores e empresas do sector”.

Para os deputados do PCP “esta situação é particularmente gravosa num ano em que os preços dos factores de produção, designadamente os combustíveis, subiram acentuadamente, reduzindo o rendimento disponível para repartição pelos pescadores, tendo em conta o sistema hegemónico de pagamento aos trabalhadores da pesca — o montante para repartição é encontrado depois de todas as despesas fixas serem retiradas do montante bruto realizado na semana ou quinzena de pesca”.

“Ao mesmo tempo, é inegável a constatação de aumentos brutais dos preços pagos pelo consumidor e o absoluto esmagamento do preço pago aos produtores, em benefício exclusivo da grande distribuição”, reforçam os comunistas.

E salientam que “dever-se-á, urgentemente, inverter o prolongado caminho de abates e destruição da frota, de alienação de capacidade produtiva e de desperdício de oportunidades de criação de riqueza e de conhecimento e apostar decididamente na valorização de toda a cultura associada ao sector piscatório, que tanto caracteriza as comunidades ao longo da costa nacional, assim como um pouco por todo o país, em comunidades ligadas às actividades extractivas desenvolvidas em águas interiores não marítimas”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Tem porcos? Declaração obrigatória de existências tem de ser feita até 31 de Agosto de 2024

Partilhar              A DGAV — Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária informa que no mês de Agosto de 2024, …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.