Início / Agricultura / PAN quer AR a condenar Resolução do Parlamento Europeu que propõe redução do estatuto de conservação do lobo

PAN quer AR a condenar Resolução do Parlamento Europeu que propõe redução do estatuto de conservação do lobo

A deputada única do PAN – Pessoas-Animais-Natureza, Inês de Sousa Real, deu hoje, 23 de Fevereiro, entrada de uma iniciativa em que apela à Assembleia da República (AR) que se oponha a uma resolução do Parlamento Europeu (PE), adotada em novembro e na qual é defendida a redução do estatuto de conservação do lobo.

Apesar de não ser vinculativa, para o PAN “a referida resolução representa um retrocesso e uma ameaça séria à conservação desta espécie emblemática e ameaçada, pelo que exortamos que o Parlamento português assuma uma posição de repúdio relativamente à mesma e se posicione a favor da manutenção das medidas de protecção do lobo”, afirma a porta-voz e deputada do PAN, Inês de Sousa Real, em nota de imprensa.

Na base da resolução do PE, está o argumento de que “como alguns grandes predadores, nomeadamente lobos e ursos” estarão a conseguir aumentar a sua distribuição territorial na Europa e “prejudicar” os agricultores e criadores de gado, se justifica uma “redução do estatuto de protecção” do lobo (Canis lupus), explica a mesma nota.

“Sucede, porém, que a presença do lobo na Europa e em Portugal — caso do lobo ibérico — continua a estar sob pressão, nomeadamente por força dos alegados prejuízos causados por ataques destes predadores”.

“Os ataques de lobo ao gado são, porém, um sinal de desequilíbrio no seu habitat natural, o que força esta espécie a aproximar-se de território povoado por humanos em busca de alimento, para além de que nem sempre os ataques têm origem no lobo ibérico. Devem ser, por isso, adoptadas medidas para prevenir este tipo de ataques e feitos investimentos na criação de condições para que o lobo possa prosperar no seu território evitando o conflito com a actividade humana”, destaca Inês de Sousa Real.

Diz a mesma nota que a existência, por exemplo, de cães pastores, “tem-se revelado eficaz em Portugal na prevenção de ataques dos lobos ao gado”. “Esta, sim, deve ser a direcção das políticas públicas, a par da renaturalização do território e maior promoção da conservação da natureza”, defende Inês de Sousa Real.

Nesse sentido, o PAN tem vindo a propor diversas iniciativas, nomeadamente em sede do Orçamento do Estado para 2023 e para 2022, tendo a proposta de alteração sido rejeitada em ambos os anos com o voto contra do Partido Socialista (PS), “inviabilizando assim a continuidade da medida que prevê o pagamento de indemnizações em resultado de danos causados pelo lobo ibérico”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Câmara de Santarém atribui Medalha de Ouro ao CNEMA

Partilhar              A Câmara de Santarém condecorou hoje, 14 de Junho, o CNEMA — Centro Nacional de …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.