Início / Empresas / PAN exige que Ministério do Ambiente anule acto de assinatura do contrato de exploração de lítio em Argemela

PAN exige que Ministério do Ambiente anule acto de assinatura do contrato de exploração de lítio em Argemela

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O porta-voz e deputado do PAN — Pessoas-Animais-Natureza, André Silva, apela ao bom senso e ao “sentido democrático” do ministro do Ambiente e Acção Climática, João Pedro Matos Fernandes, e pede que este anule o acto de assinatura do contrato com vista à exploração de lítio no sítio de Argemela (Fundão e Covilhã).

O PAN “contesta veementemente” o facto de o Aviso ter não só sido publicado a 2 de Abril, em pleno contexto de estado de emergência face ao surto de Covid-19, “como de o mesmo prever que os interessados se possam pronunciar no prazo de 30 dias, dos quais cerca de metade já correram, sem a devida publicitação do ato junto das populações” e, “mais grave, sem que estejam reunidas, no entender do PAN, as condições para que as populações, organizações não-governamentais do Ambiente e outros se possam deslocar e pronunciar em segurança, dados os constrangimentos em matéria de saúde pública que se vive no país e, naturalmente, também na região Centro”.

Para o deputado André Silva, o Governo, através da Direcção-Geral da Energia e Geologia (DGEG), sob a tutela de Matos Fernandes, está igualmente em rota contrária à posição do Parlamento sobre esta matéria.

“Soubemos hoje pela comunicação social, que a Direcção-Geral da Energia e Geologia, entidade tutelada pelo Ministério do Ambiente e da Acção Climática, publicou no passado dia 2 de Abril, em pleno Estado de Emergência, um aviso para a celebração de um contrato de exploração de lítio na área de Argemela, nos municípios do Fundão e da Covilhã”, explica André Silva.

Exploração mineira “vastamente contestada”

Aquele deputado diz ainda que esta “exploração mineira tem sido vastamente contestada pela população e pelos municípios em virtude dos problemas ambientais e para a saúde e bem-estar das populações. Precisamente, por isso, a Assembleia da República aprovou por unanimidade, uma resolução que visava a suspensão do processo até que o mesmo seja devidamente reavaliado à luz dos seus impactos”.

“O Governo não acatou a decisão do parlamento e somos hoje confrontado através da comunicação social com este aviso, em pleno estado de emergência, o qual dá a possibilidade aos interessados de consulta do processo e respectiva pronúncia, por escrito, num prazo de 30 dias, mas prazo este que decorre integralmente no período de implementação das medidas restritivas de deslocação e de isolamento social em face do surto da Covid-19”, acrescenta o deputado do PAN.

Para André Silva, “uma consulta pública não é uma mera formalidade. Uma consulta pública é um instrumento democrático que permite que todos os afectados por uma decisão do Governo se possam pronunciar e defender os seus legítimos direitos. Ora, um processo de consulta de pública bem feito e participado implica a realização de reuniões, de deslocações ao terreno, de audiência das populações e de organizações não governamentais de ambiente. Fazer um processo de consulta pública nesta fase, na prática, é boicotá-lo e é silenciar a população, visto que todas essas acções que envolvem a consulta pública estão legalmente restringidas, em virtude das medidas do estado de emergência”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Marinha e Autoridade Marítima Nacional alertam para agravamento da agitação marítima em Portugal continental

Partilhar            A previsão do vento e do estado do mar indica um agravamento excepcional das condições …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.