Início / Mar / Ambiente / “O Estuário do Tejo”. Livro da bióloga marinha Maria José Costa já nas bancas

“O Estuário do Tejo”. Livro da bióloga marinha Maria José Costa já nas bancas

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O livro “O Estuário do Tejo”, da Edições Afrontamento, uma publicação da Lisboa Capital Verde Europeia 2020, promovido pelo Departamento de Ambiente da Câmara Municipal Lisboa, da autoria de Maria José Costa, bióloga marinha, foi lançado e conta com a participação de vários ilustradores científicos e fotógrafos ambientais.

A obra, da investigadora do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, fala do estuário do Tejo, o maior da Europa Ocidental, nas múltiplas vertentes ambientais, da flora à fauna, mas também as sócio-económicas, incluindo a pesca. Pelo que a história do estuário é também nela relatada, desde a sua formação à ocupação das suas margens, que data do Paleolítico.

Refere-se a importância do estuário para os romanos, que tinham na baixa pombalina as suas fábricas de peixe, de onde exportavam, bem como alguns dos acontecimentos mais relevantes que tiveram origem no estuário. Descrevem-se os seus principais habitats, desde os bancos de vasa até às salinas; a sua importância como rota migratória para as aves, a sua faceta como zona de viveiro para muitos peixes e a sua importância nas pescas. Não foram esquecidos os barcos que ali navegaram — alguns que ainda hoje se preservam.

Mudanças ambientais na flora e na fauna

Para além de um retrato do estuário no presente, também se descrevem as mudanças ambientais na flora e na fauna nos últimos 20 anos. Estas alterações estão directamente associadas à melhoria drástica da qualidade da água e ao aumento da sua temperatura, que permitiu a entrada de espécies com características subtropicais, como o sargo do Senegal, o enorme aumento das corvinas, ou até a introdução e povoamento de espécies exóticas, como a ameijoa japonesa.

“Tenta-se assim também perceber o que acontecerá no futuro, se a temperatura continuar a aumentar e com ela a chegada de mais espécies com características subtropicais e até mesmo tropicais, como prevemos em 2100 com a entrada do tubarão-bicudo”, realça a autora.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Governo garante serviço do SIRESP com indemnização compensatória de 11 milhões de euros

Partilhar            O Governo aprovou a atribuição de uma indemnização compensatória de 11 milhões de euros à …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.