Início / Agricultura / Nuno Russo: Organizações de Produtores são elemento estruturante da melhoria da posição dos agricultores na cadeia alimentar

Nuno Russo: Organizações de Produtores são elemento estruturante da melhoria da posição dos agricultores na cadeia alimentar

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, esteve hoje, 19 de Dezembro, presente no Seminário da Confagri — Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas, Novo Regime de Reconhecimento de Organizações de Produtores e Respectivas Associações, que se realizou em Lisboa.

Recorde-se que a recente publicação da nova legislação nacional, que estabelece as regras nacionais complementares de reconhecimento de Organizações de Produtores e respectivas Associações, resulta da alteração da legislação de base da União Europeia nesta matéria.

“Ao longo da última década houve uma transformação evidente no funcionamento dos mercados, nomeadamente com a criação da Organização Comum dos Mercados e a consagração das Organizações de Produtores, posteriormente valorizadas com a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) como um elemento estruturante da melhoria da posição dos agricultores na cadeia alimentar”, afirmou Nuno Russo durante a sua intervenção.

E adiantou que “a concentração da produção, a criação de economias de escala e de sustentação do poder negocial foi, e é, uma mais valia inquestionável, e implica grande capacidade de integração, cumprimento integral das regras e espírito inovador”.

Organizações de Produtores

“As Organizações de Produtores são as estruturas privilegiadas para melhorar a posição dos agricultores na cadeia agroalimentar, promovendo a organização da produção e da sua oferta, e contribuindo para a procura de novos mercados, incluindo mercados externos”, reiterou o secretário de Estado.

Segundo o Programa do XXII Governo é importante o restabelecimento “do equilíbrio nas cadeias de valor agrícolas, pecuárias e silvo-industriais”, uma vez que “a tradicional dispersão a montante e a concentração a jusante do sector agrícola, pecuário e florestal conduzem a poderes negociais assimétricos, sendo essencial para a estabilização dos rendimentos assegurar relações equilibradas entre os vários operadores na cadeia alimentar”.

Neste sentido, Nuno Russo garante que “é prioritário estabelecermos regulamentação de boas práticas e impeditiva de manobras comerciais desleais, estimular a criação de novas organizações e promover a concentração da oferta e o reforço da posição dos produtores na cadeia de valor, incentivando as organizações da produção a desempenhar um papel consequente na sustentabilidade das unidades produtivas dos seus associados”.

O membro do Governo salientou, no final do seu discurso, que é preciso dar continuidade da esta “trajectória da organização sectorial é, portanto, fundamental, sendo necessária actuação articulada das fileiras, com destaque para o papel das Organizações de Produtores, com aumento da eficiência da produção e ligação aos restantes elos da cadeia – em particular a agroindústria -, de modo a alcançar objectivos de redução de custos de produção, garantia de capacidade negocial e de abastecimento do mercado e resiliência a condições menos favoráveis”.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

Língua azul dos ovinos: DGAV determina vacinação obrigatória no Algarve, Alentejo e distrito de Santarém

Partilhar              A DGAV — Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária, na sequência da confirmação de novos de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.