Início / Agricultura / notEggo. O ovo que nasceu sem a galinha conquistou o BfK Awards

notEggo. O ovo que nasceu sem a galinha conquistou o BfK Awards

É um ovo, mas não nasceu de nenhuma galinha. Adequado para diferentes dietas e para consumidores com restrições alimentares e alergias, o notEggo é 100% vegetal, permite separar a “clara” da “gema”, elege fornecedores locais e tem uma pegada ambiental bastante inferior à do ovo natural.

Nascido do conhecimento, nomeadamente da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa, o projecto venceu o Born from Knowledge (BfK) Awards, atribuído pela Agência Nacional de Inovação (ANI), no âmbito do Prémio Ecotrophelia Portugal, promovido pela PortugalFoods.

Actualmente, segundo o Relatório de Análise “The Green Revolution Portugal 2021” (Lantern 2021), mencionado pelos promotores do projecto, há mais de um milhão de pessoas que seguem uma alimentação vegetariana ou tendencialmente vegetariana: 43 mil veganos, 180 mil vegetarianos e 796 mil flexitarianos. Alguns deles, num questionário online, realizado pela notEggo, revelaram, no entanto, sentirem a falta de comer ovo. Nomeadamente, 36,2% num universo de 288 respondentes.

Fonte de vitamina B5 (ácido pantoténico), rico em vitamina B12, com baixos teores de açúcar e gordura e fonte de proteína, o notEggo é composto por uma gema à base de tremoço, batata-doce e cenoura, e por uma clara que contém creme de soja, farinha de arroz e amido de tapioca. À excepção da levedura nutricional sal kala namak, todos os ingredientes do ovo 100% vegetal são de produção nacional e de agricultura biológica.

Uma embalagem de notEggo é composta por três ovos vegetais, cada um com 20 gramas repartidas pela gema com cinco gramas e a clara com 15. Além de assegurar a qualidade e segurança do produto, a embalagem permitirá simular a experiência de verdadeiramente partir um ovo.

Substituto vegetal ao ovo

O notEggo acaba por ser um substituto vegetal ao ovo, com forma e consistência parecida ao mesmo. É um produto único, já que os potenciais concorrentes são em pó ou líquidos, aplicados em receitas como ovos mexidos, omelete ou elemento de ligação. Surge ainda numa altura que, segundo o estudo da Lantern, a maioria dos consumidores (72%) de produtos vegan considerou a oferta do mercado português insatisfatória.

“Os desafios climáticos e a cada vez maior escassez dos recursos do nosso planeta têm sido um forte incentivo para que a comunidade científica, em conjunto com a indústria alimentar, inovar e alcançar soluções que garantam a nossa sobrevivência e reverta o impacto no planeta Terra. Projectos como este são de grande importância e mostram que Portugal está na linha da frente destas preocupações”, sublinha João Borga, administrador da ANI.

O Prémio Ecotrophelia tem como ambição promover a inovação, empreendedorismo e competitividade no sector agroalimentar a nível nacional e europeu, reunindo e desafiando estudantes, professores, investigadores e profissionais do sector a reflectir sobre os produtos eco-inovadores do futuro. Destinado a equipas multidisciplinares de dois a seis estudantes do ensino superior, o Prémio Ecotrophelia visa o desenvolvimento de um produto alimentar inovador e sustentável a vários níveis, desde o conceito, formulação, produção, packaging até aos planos de marketing, negócio e vendas, sem descurar as vertentes nutricional e sensorial.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

IFAP paga 119 M€ de apoios aos sectores agroflorestal e das pescas em Setembro

Partilhar              O Ministério da Agricultura e da Alimentação informa que, no final do mês de Setembro …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.