Início / Agricultura / Navigator lucra 109 milhões de euros em 2020 no ano mais difícil da sua história

Navigator lucra 109 milhões de euros em 2020 no ano mais difícil da sua história

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A The Navigator Company lucrou 109 milhões de euros em 2020, menos 59 milhões que no ano anterior, tendo reduzido o endividamento em 35 milhões de euros e registado um aumento das vendas de tissue em 10% e da pasta em 25%.

“Estes resultados foram alcançados num ano de grande adversidade, o mais difícil da história da empresa, marcado pelo forte impacto da pandemia na procura dos seus produtos e por uma quebra acentuada de preços”, refere uma nota de imprensa da empresa.

No ano de 2020, a The Navigator Company registou um volume de negócios de 1.385 milhões (-18%), tendo as vendas de papel representado cerca de 68% do volume de negócios, as vendas de pasta 11%, as vendas de tissue 10% e as vendas de energia também 10%.

Consumo de papel de impressão e escrita em queda

O ano de 2020 ficou marcado pela queda expressiva no consumo global de papel de impressão e escrita (UWF) em resultado da pandemia, sobretudo no segundo trimestre, tendo-se assistido no terceiro e quarto trimestres a uma recuperação expressiva, particularmente na Europa.

Neste contexto, a Navigator “evidenciou uma forte flexibilidade e resiliência no seu modelo de negócio, ajustando-se de forma ágil às alterações de mercado e actuando significativamente em toda a sua base de custos fixos e variáveis”.

Ao longo do quarto trimestre, num contexto de novos confinamentos parciais em vários países Europeus, a Navigator retomou os seus níveis de produção e conseguiu registar uma evolução positiva em relação ao trimestre anterior. Os resultados líquidos dos últimos quatro meses do ano atingiram os 34 milhões de euros, um crescimento de 9% relativamente ao 3º trimestre e de 64% face ao 4º trimestre de 2019.

Ao nível dos investimentos destaque para a conclusão e arranque da nova caldeira de biomassa da Figueira da Foz, um investimento que representa o mais relevante passo do roteiro de descarbonização, já que que irá permitir a redução das emissões de CO2 do Grupo em mais de 30% em 2021, atingindo assim já este ano 1/3 da redução anunciada para a neutralidade carbónica em 2035.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •   
  •  

Verifique também

UE. Educação ambiental e desenvolvimento sustentável está em consulta pública. Quer dar a sua opinião?

Partilhar              A Comissão Europeia lança hoje, 18 de Junho, uma consulta pública sobre educação ambiental e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.