Início / Featured / Município da Póvoa de Varzim quer assumir-se como centralidade marítima
© Município de Póvoa de Varzim

Município da Póvoa de Varzim quer assumir-se como centralidade marítima

A primeira Aula Aberta do Curso de Especialização em Estudos do Mar, Estratégia e Segurança Global, ministrada pelo Almirante Silva Ribeiro, realizou-se, na sexta-feira passada, 6 de Maio, no Salão Nobre dos Paços do Concelho da Póvoa de Varzim.

Em representação do Executivo Municipal, a vereadora Andrea Silva deu as boas-vindas a todos os presentes e transmitiu que esta é a primeira edição de uma iniciativa pioneira a nível nacional conjunta do Município da Póvoa de Varzim, Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa e Marinha Portuguesa.

A vereadora, e também aluna do Curso, salientou que o Município “fez um grande esforço para o tornar o mais inclusivo possível, abrindo-o a todos os interessados em saber mais sobre este tema, tendo ou não formação superior”. É um Curso abrangente tendo em vista “a potencialização do mar, um gerador de valor ao nível da economia, investigação e desenvolvimento, ambiente, desenvolvimento sustentável, tecnologia, recursos e segurança e protecção marítima”, avança uma nota de imprensa da autarquia.

O orador convidado desta aula aberta, que se inseriu no módulo Economia e Desenvolvimento Sustentável coordenado por Miguel Marques, começou por dedicar a sua aula a dois amigos poveiros, que já partiram, mas cuja ligação ao mar é inegável: José de Azevedo e Mestre Festas.

Estratégia de apropriação dos oceanos

O Almirante Silva Ribeiro dedicou-se a fazer uma explanação sobre “A estratégia de apropriação dos oceanos”, um fenómeno de extrema importância para Portugal, mas que não é novo e remonta ao tempo dos Romanos. O antigo Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas advertiu para a necessidade de despertar a mentalidade marítima dos portugueses e apresentou os novos desafios estratégicos que a visão realista e a visão idealista apresentam da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM).

Para o distinguido como Cidadão Poveiro desde 2018, a resposta de Portugal aos novos desafios estratégicos deve centrar-se na mentalidade e vontade marítimas robustas, política externa e diplomacia hábeis no mar, política marítima mobilizadora do poder nacional, conhecimento científico, capacidade tecnológica, actividade económica relevante no mar e capacidade de afirmação da autoridade do Estado no mar. “Só assim Portugal conseguirá uma delimitação justa dos espaços marítimos”, preveniu o Almirante, insistindo na “falta de foco do nosso país na estratégia marítima”.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

Montenegro promete resolver problema do assoreamento do Porto de Pesca da Póvoa de Varzim

Partilhar              O primeiro-ministro, Luís Montenegro, esteve presente cerimónia de encerramento das comemorações do 50º aniversário de …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.