Início / Mar / Ambiente / A melhor imagem do tempo em 2016

A melhor imagem do tempo em 2016

Uma imagem gerada por computador, da agência espacial norte-americana NASA, mostra como o clima está a ser afectado por fenómenos extremos, com o El Niño de 2015-16 a ultrapassar o maior de sempre. Inundações, tempestades e um Inverno anormalmente quente foram as características mais marcantes do final de 2015, mas os próximos meses podem não ser melhores.

O El Niño, um fenómeno que se repete a cada dois a sete anos, trará impactos significativos no comportamento do clima em 2016, exarcebando secas e cheias, dizem os cientistas da NASA.

No final de 2015, o grande El Niño aparece na imagem como uma enorme faixa de branco, a cor da maior subida do nível do mar, que se estende ao longo do Equador, desde a América do Sul ao Pacífico Central. A NASA compara esta visão com uma de 1997, ano em que se originou a maior oscilação alguma vez medida das águas do mar, no que foi apelidado o “monstruoso” El Niño de 1997-98.

A NASA observou, num relatório publicado esta semana, que os níveis da água do mar a Leste subiram mais 25 centimetros do que o normal. No Pacífico Oeste, a queda (a roxo na imagem) foi pelo menos tão elevada. O resultado é um aquecimento exagerado do aquecimento dos níveis superiores dos oceanos a Leste e um arrefecimento no Oeste.

“As nuvens e tempestades seguem a água quente, libertando calor e humidade na atmosfera”, escreveu Alan Buis, do Jet Propulsion Laboratory da NASA, no site da agência, o que “altera as rotas das correntes oceânicas e afecta o comportamento de tempestades em todo o mundo.”

“De acordo com certas medições, esse já foi o El Niño mais forte registado”, disse o cientista Nick Klingaman, da Universidade de Reading, na Inglaterra, citado pela BBC.

Em 2015, vários países tropicais sofreram “reduções de entre 20 e 30% nas chuvas. Houve seca severa na Indonésia. Na Índia, as monções foram 15% abaixo do normal e as previsões para o Brasil e Austrália são de redução nas chuvas”, lembra Klingman.

As secas e inundações, e o impacto potencial que representam, preocupam as agências de ajuda humanitária. Cerca de 31 milhões de pessoas estão sob risco de escassez de alimentos na África – um aumento significativo em relação a 2014.

Agricultura e Mar Actual

 
       
   
 

Verifique também

Estudo alerta para impactos da poluição antrópica na plataforma continental do Algarve

Partilhar              Um estudo publicado na revista Marine Pollution Bulletin revela que foram detectados metais pesados e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.