Início / Agricultura / Medidas reforçadas contra introdução e propagação na UE do cancro do pinheiro

Medidas reforçadas contra introdução e propagação na UE do cancro do pinheiro

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A União Europeia alterou e reforçou as medidas contra a introdução e a propagação na União do cancro-resinoso-do-pinheiro, Fusarium circinatum Nirenberg & O’Donnell (anteriormente Gibberella circinata).

A medida foi publicada na Decisão de Execução (UE) 2019/2032 da Comissão, de 26 de Novembro de 2019, que estabelece  e que revoga a Decisão 2007/433/CE da Comissão.

O cancro-resinoso-do-pinheiro é o nome vulgar de uma doença provocada pelo fungo Gibberella circinata Nirenberg & O’Donnell (forma telemorfa ou sexuada) também conhecido por Fusarium circinatum Nirenberg O’Donnell (forma anamorfa ou assexuada), o qual pode causar uma mortalidade significativa em espécies do género Pinus e danos apreciáveis em Pseudotsuga menziesii, tanto em viveiros como em povoamentos adultos.

O fungo apareceu pela primeira vez nos Estados Unidos da América, na Carolina do Norte (1946) tendo sido entretanto detectado noutros países como o Chile, México, África do Sul, Japão, Espanha, Itália e Portugal, onde foi oficialmente assinalado em Abril de 2008, num viveiro florestal (fornecedor de materiais florestais de reprodução) da região Centro.

Na Europa desde 2005

Na Europa, o fungo foi referenciado pela primeira vez em 2005, no norte de Espanha, em viveiros de Pinus radiata D. Don e Pinus pinaster Aiton e em povoamentos de Pinus radiata (Landeras et al.). Itália foi o segundo país da Europa a reportar a doença, tendo os primeiros sintomas sido observados no norte do País em árvores adultas de Pinus halepensis Miller e Pinus pinea L. (Carlucci et al.,2007).

Segundo a Decisão de Execução (UE) 2019/2032, de acordo com as pesquisas anuais apresentadas pelos Estados-membros, nos termos da Decisão 2007/433/CE, e o parecer científico apresentado pela EFSA — Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, conclui-se que o organismo especificado já está presente em partes do território da União.

No entanto, parece também que a área actualmente infestada é consideravelmente inferior à área ameaçada, tendo em conta, entre outros, os dados ecoclimáticos, a distribuição de potenciais hospedeiros e o elevado potencial de estabelecimento do organismo especificado.

“A distribuição mundial do organismo especificado não é clara. No entanto, e de acordo com as informações disponíveis, não há conhecimento da ocorrência do organismo em países terceiros europeus. Além disso, a experiência demonstrou que o organismo especificado não foi introduzido na União através do comércio de vegetais especificados (incluindo sementes e cones que contêm sementes, destinados a plantação), madeira, casca isolada e material de embalagem de madeira provenientes desses países”, acrescenta o documento, que pode ler na íntegra aqui.

Veja também:

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Let’s Talk About Pork: União Europeia desmistifica mitos sobre a carne de porco

Partilhar            A Comissão Europeia acaba de lançar uma campanha de comunicação, a Let’s Talk About Pork …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.