Início / Agricultura / Maria do Céu Antunes anuncia na Agrival novo aviso no âmbito do programa Emparcelar para Ordenar
Foto: Ministério da Agricultura

Maria do Céu Antunes anuncia na Agrival novo aviso no âmbito do programa Emparcelar para Ordenar

A ministra da Agricultura e da Alimentação, Maria do Céu Antunes, abriu, esta tarde, de 18 de Agosto, a Agrival – Feira Agrícola do Vale de Sousa, garantindo que “o Governo está atento. E vamos continuar a trabalhar em diálogo permanente e ouvindo sempre os agentes dos territórios. Só assim conseguiremos continuar a desenhar e a implementar medidas estruturais e conjunturais. Só assim conseguiremos governar verdadeiramente para as pessoas”. E anunciou que, em breve, vai “lançar um aviso no âmbito do programa Emparcelar para Ordenar”.

Foto: Ministério da Agricultura

A Agrival – Feira Agrícola do Vale de Sousa está de volta ao Pavilhão de Feiras e Exposições de Penafiel de 18 a 27 de Agosto. A 42ª edição deste certame conta com mais de 350 expositores, quase todos repetentes, a promoverem os seus serviços e produtos, na maior feira agrícola do Norte e Centro de Portugal.

Num evento que é um “palco do território”, Maria do Céu Antunes realçou “o papel da agricultura num desenvolvimento pleno, coeso e sustentável, nomeadamente num cenário de grandes desafios”. “Um papel que fica evidenciado em iniciativas como esta, que criam sinergias, promovem a produção nacional e valorizam os territórios”.

E acrescentou: “conscientes dos desafios, solicitámos o recurso à Reserva Agrícola, pedimos que fosse autorizada a Destilação de Crise e temos accionado medidas que respondem às necessidades de quem dá vida a este sector. Aliás, vamos, em breve, lançar um aviso no âmbito do programa Emparcelar para Ordenar”.

Toda a informação e possibilidade de adquirir bilhetes digitais para a Agrival aqui.

Agricultura e Mar

 
       
   
 

Verifique também

INE. “Aumento acentuado dos custos de produção” levou “à redução dos efectivos” bovinos

Partilhar              O aumento acentuado dos custos de produção (sobretudo da alimentação) e a falta de pastagens …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.